segunda-feira, 27 de julho de 2020

Junkers Ju 52s da JU-AIR serão revisados ​​e retomarão as operações até 2021

Junkers Ju52 HB-HOS da JU-AIR em 2011 (Foto LFSB Plane Pictures CC BY-NC-ND-2.0)

A JU-AIR iniciou o processo para revisar completamente seus três JU-52. A revisão será realizada por empresas especializadas. A companhia aérea retomará as operações de voo na primavera de 2021. Até então, reorganizará seu departamento de manutenção.

Após meses de preparação, começou a grande revisão do histórico JU-52 da JU-AIR. Primeiro, serão realizadas medições digitais da aeronave e de seus componentes, a fim de obter projetos computadorizados tridimensionais.

Esse grande projeto é liderado pela JUNKERS Flugzeugwerke em Dübendorf, Suíça, que contratou várias empresas especializadas na Suíça e no exterior. O Escritório Federal Suíço de Aviação Civil (FOCA) supervisionará todas as etapas do processo, antes, durante e após cada etapa do trabalho. Quando a revisão estiver concluída, os três aviões serão, tecnicamente, tão bons quanto novos.

Como medida preventiva, em função da idade, todos os elementos de sustentação das asas relevantes para a segurança serão substituídos. Dado que nenhuma peça nova para a aeronave de oitenta anos está disponível no mercado, centenas de componentes individuais precisam ser replicados por parceiros autorizados. Para fazer isso, as peças originais primeiro precisam ser medidas digitalmente. Em seguida, componentes como asas, unidade de cauda e direção serão modelados no computador. Os dados gerados por computador resultantes são então usados ​​para recriar novas peças. Por esse curso de ação, cerca de 90% dos elementos das asas serão substituídos.
Junkers Ju 52 HB-HOY da JU-AIR em 2012. (Foto Werner Wittersheim (CC BY-NC 2.0)

As asas serão revisadas em Malters, na Suíça, enquanto a fuselagem, a cauda, ​​o trem de pouso, a direção e todos os outros sistemas serão revisados ​​em Dübendorf, na Suíça. Aqui também, a revisão será realizada por especialistas de empresas especializadas certificadas.

O Escritório Federal de Aviação Civil (FOCA) acompanhará de perto o projeto. Cada etapa do processo será apresentada em detalhes com antecedência. O FOCA revê-o e, uma vez aprovado, é realizado. O FOCA pode então verificar se o trabalho foi realizado corretamente.

Aposentadoria dos motores BMW

Os motores das três aeronaves serão substituídos. As peças de reposição não estão mais disponíveis para os motores radiais da BMW (tipo 132) que foram implantados até o momento - a BMW interrompeu sua produção em 1944. Os custos, se esses motores fossem mantidos a longo prazo, só aumentariam ano após ano.

Portanto, a JU-AIR decidiu substituir esses motores por motores radiais (Wasp) do tipo R-1340 da Pratt & Whitney. Embora esses motores radiais (Wasp) não sejam mais construídos, eles foram produzidos em números tão grandes que ainda estão amplamente disponíveis em todo o mundo.

Motores que foram completamente revisados ​​e peças sobressalentes como novas estão prontamente disponíveis. A JU-52 não é estranha aos motores da Pratt & Whitney: alguns aviões foram equipados com esses motores na primeira entrega.
Junkers Ju 52 HB-HOP da JU-AIR em 2005. (Photo Kambu - (CC BY-2.0)

A primeira das três aeronaves a passar por uma revisão completa será o HB-HOS. Ela havia sido entregue, totalmente nova, à Força Aérea Suíça no final do verão de 1939, onde trabalhou até 1981. Entrou em serviço na JU-Air em 1983 e desde então faz parte da frota ativa da JU-AIR. A revisão completa nos outros dois começará em um estágio posterior. O momento exato depende, entre outros fatores, da rapidez com que o trabalho progride na primeira aeronave.

A aeronave com registro HB-HOS deve retomar a operação de voo na primavera de 2021. Em vista da reabertura das operações de voo, a manutenção de aeronaves e motores será reorganizada. As avaliações estão em andamento. A JU-AIR também trouxe especialistas externos para assessorá-lo, e o Escritório Federal de Aviação Civil também atuará como um órgão de supervisão nesse assunto.

Fonte: JU-AIR

terça-feira, 21 de julho de 2020

Aeronave-ambulância recebe apoio de radioamadores após perder contato via rádio com controle de aéreo

Foto da Aeronave por Carlos P. Valle C. via JetPhotos com mapa via OA4DTU.

Na noite de quinta-feira passada, 9 de julho, uma aeronave que partiu de Santiago do Chile para prestar serviço de ambulância aérea para transportar um paciente que estava na Ilha da Páscoa, perdeu a comunicação com o Serviço de Controle Aéreo a mais de 1.000 milhas náuticas do continente. Por conta disto, o piloto mudou para a frequência da Rede Peruana de Socorro nos 40 metros em 7.100 kHz.

Embora a rodada já tivesse sido encerrada minutos antes, os colegas Guillermo OA4DTU , comandante da rodada e Giancarlo OA4DSN ainda permaneciam sintonizados na frequência, e assim o piloto da aeronave conseguiu entrar em contato com Guillermo. 

Ele explicou sua situação, que era causada por conta de uma aparente falha em seus equipamentos de comunicação por satélite, e pediu apoio para se comunicar via telefone com Controle Aéreo Oceânico, serviço do governo do Chile que faz o monitoramento do espaço aéreo de 32 milhões de km quadrados no oceano Pacífico que banha a costa do Chile.

Feita a ligação, o Controle Oceânico mostrou-se surpreso e aliviado pelo apoio na comunicação, uma vez que realmente se encontravam em uma situação de alerta pela perda do contato com a aeronave e que a estação HF da Torre Ilha da Páscoa se encontrava inoperante nesse momento, razão pela qual não era possível a comunicação por essa via.

No total, foram realizadas cerca de 10 chamadas telefônicas para pôr em contato a aeronave e o Controle Aéreo de forma a atualizar as diferentes posições e horários da sua rota, além de algumas indicações para os pilotos. 

Outros colegas peruanos estiveram atentos e prontos para se colocar em ação se necessário, acompanhando Guillermo no contato e na aeronave até saber que esta chegaria ao destino.

Finalmente, às 23:30 horário local (04:30 UTC) aproximadamente, a aeronave informou que conseguiu entrar em contato via VHF com a torre de controle da Ilha da Páscoa, confirmando as instruções de descida e pouso na ilha.

A alegria e satisfação de todos que se encontravam em frequência foi absoluta. A isto foi somado o fato de que, minutos depois de perdido o contato por HF, o piloto enviou mensagem a Guillermo por telefone agradecendo pelo apoio e também uma fotografia da aeronave, já em solo na pista Mataveri, aguardando o paciente para ser transferido para Santiago do Chile. 

O apoio à aeronave durou cerca de 3 horas, desde o primeiro contato até a sua chegada ao destino. Da mesma forma, o serviço de controle aéreo oceânico também enviou seus agradecimentos a Guillermo e a Rede Peruana de Socorro. Veja abaixo um vídeo do Guillermo operando a Rede Peruana de Socorro:


Esta ação reafirma o papel que os Radioamadores cumprem em situações de risco ou emergências.

Parabéns Guillermo!

Por Radio Club Peruano, OA4O
Traduzido por Alisson Teles Cavalcante, PR7GA

quarta-feira, 1 de julho de 2020

“Spitfire grego” MJ755 voa novamente

Spitfire Mk IX MJ755 em 2006 (Foto Matteo Arrotta).

O Supermarine Spitfire Mk IXc MJ755, também conhecido como "Spitfire grego" por suas marcações incomuns, voou novamente no domingo, 19 de janeiro de 2020, pela primeira vez desde 1953.

domingo, 7 de junho de 2020

Chance Vought F4U-5NL "Flying Nightmares"


Construído em 1950 como F4U-5NL (BuNo 125541), este Corsair foi usado durante a Guerra da Coréia no VC-3 e no VMF-513 "Flying Nightmares". Após 122 horas de missões, ele retornou aos EUA em 10 de dezembro de 1952. Entregue à Argentina em 1957 entre um lote de 26 Corsair (F4U-5 e -5NL), ele usava os códigos 3-A-202 e depois 3-A- 204.

sexta-feira, 29 de maio de 2020

De herói a vilão: A história do Ás da Segunda Guerra Mundial Chris Magee

Chris Magee

Christopher Lyman Magee nasceu em 1917 em Omaha, Nebraska e com apenas um ano de idade se mudou com seus pais para Chicago. Quando jovem, Magee era conhecido por familiares e amigos como “C.L” e logo desenvolveu uma reputação entre seus amigos por comportamentos e atividades aventureiras e às vezes perigosas. Durante o ensino médio, Chris equilibrou seu amor nativo pelo esporte e aptidão física com sua paixão pela leitura e aprendizagem – uma combinação de mente e corpo que ele manteria por toda a vida.

Após sua formatura na Mount Carmel High School, Magee dividia seu tempo trabalhando e se dedicando aos exercícios físicos e por volta de 1938 se destacou no time de atletismo de sua faculdade. Porém com a iminência cada vez maior do início da Segunda Guerra, que já eclodia pela Europa, o jovem Chris perdeu o foco na universidade e começou a ansiar para entrar no combate. Em janeiro de 1940, seu senso de aventura e indignação sobre a cultura de guerra, desenvolvidos a partir de suas várias leituras, e seu desejo de testar seu corpo e mente em combate, o levaram a pegar carona com dois amigos para Nova Orleans para então encontrar passagem para a Europa. Porém após semanas de tentativas, seus planos foram frustrados devido leis de neutralidade que os impediram de embarcar para o velho continente. Magee e um de seus amigos então seguiram de volta para Chicago, mas ele não foi derrotado.

quinta-feira, 14 de maio de 2020

‘Art’ Chin: O Às Chino-americano

Arthur 'Art' Sui-tin Chin (Foto: f John Gong Art: Roy GRINNELL www.roygrinell.com).

Arthur 'Art' Sui-tin Chin ('Chen, Rui-Tien em mandarim) nasceu em 1913 em Portland, Oregon. Seu avô era do condado de Taishan, província de Kwangtung, e havia sido alocado no Peru com o serviço diplomático imperial chinês. A mãe de 'Art' era uma órfã peruana que os Chins acolheram e criaram em Portland, Oregon, onde a família se estabeleceu depois de deixar o Peru. Mais tarde, ela se casou com o pai de 'Art', o que explicaria seus traços eurasianos.

sexta-feira, 8 de maio de 2020

Ivan Kleshchev: O às soviético

IVAN IVANOVICH KLESHCHEV

         Ivan Ivanovich Kleshchev alcançaria fama principalmente como o comandante do grupo 434.1AP altamente bem sucedido, o regimento ao qual Vladimir Orekhov pertencia. Veterano do conflito de Khalkhin Gol no início da Guerra, Kleschchev, de 23 anos, inicialmente fez uma ação considerável sobre a frente Kalinin com o grupo 521.1AP, sendo recomendado para a medalha HSU em março de 1942 como resultado de sua bravura. Nas comemorações do primeiro de maio de 1942, Kleshchev foi lançado aos olhos do público, como resultado de um apelo emocionante por maiores recursos para permitir que, os regimentos de combatentes repelissem os bombardeiros alemães. A essa altura, ele tinha 6 vitórias e seu grupo 13 vitórias.

quinta-feira, 7 de maio de 2020

CLÁSSICOS COADJUVANTES (parte 13) – O último Lockheed Comercial

Lockheed L-1011 TriStar (Foto Lockheed).

O Lockheed L-1011 TriStar, comumente chamado de L-1011 (pronuncia-se “L-ten-eleven, ou "L-dez-onze" em portugues) ou TriStar, foi um avião americano widebody trijato de médio a longo alcance fabricado pela Lockheed Corporation. Foi o terceiro widebody a entrar em operações comerciais, depois do Boeing 747 e do McDonnell Douglas DC-10. Tinha capacidade para acomodar até 400 passageiros e um alcance de mais de 4.000nm (7.410 km). O motor escolhido para o novo trijato foi o Rolls-Royce RB211 (dois motores nas asas,  com um terceiro motor montado no cone de cauda com uma entrada de ar de duto S embutida no estabilizador vertical). 

quinta-feira, 30 de abril de 2020

P-51D Mustang para a U.S. Navy? "Quase"


O protótipo do ETF-51D prestes a pegar o cabo ao pousar. Elder reclamou que a atitude da aeronave ao pousar tinha que ser controlada com precisão ou a estrutura da aeronave seria danificada. (Foto Marinha dos Estados Unidos).

Com uma superfície de 69 milhões de milhas quadradas, o Oceano Pacífico cobre quase um terço da superfície da Terra. Durante a Segunda Guerra Mundial, as operações militares no Pacífico foram confrontadas com o problema do alcance. Isso era particularmente verdade nas operações aéreas. O Japão continental foi bombardeado em 18 de abril de 1942 por Doolittle e seus B-25 Mitchell, mas esse foi um esforço único de valor principalmente psicológico. Todas as 16 aeronaves envolvidas foram perdidas e 11 dos 80 pilotos foram mortos ou capturados. Depois disso, nenhum bombardeio foi realizado contra as Ilhas Japonesas até a segunda metade de 1944, quando bombardeiros B-29 de longo alcance foram usados ​​a partir de bases na China e mais tarde nas Ilhas Marianas. Esses ataques não foram escoltados, pois nenhum caça tinha o alcance de escoltar os bombardeiros até o Japão e voltar.

domingo, 26 de abril de 2020

O Corsair do Museu Asas de um Sonho


Chance Vought F4U-1A Corsair c / n 4078 Bu.17995 Museu Asas de um Sonho em São Carlos, Brasil.

2 de junho de 2007.

Aqui está uma pesquisa sobre o Corsair em exibição no museu Asas de um Sonho, perto da cidade de São Carlos, no Brasil. O museu pertencia a companhia aérea TAM, que tem uma coleção seleta de aviões, incluindo exemplares de Spitfire, Messerschmitt, Thunderbolt, e, um Corsair, entre muitos outros.