quarta-feira, 12 de junho de 2019

Daks over Normandy 2019

O Histórico "DIA D" no 6 de junho de  1944 foi  uma das datas mais importantes da história da guerra moderna e mais ainda para duas modalidades de táticas em desenvolvimento na época; o desembarque anfíbio e o assalto aerotransportado.


A operação "Overlord"  continua ainda como a maior operação de assalto da história, empregando 160.000 militares de diversas nacionalidades, que invadiram as praias da Normandia para iniciar a libertação da Europa Ocidental, rompendo a temida "Muralha do Atlântico" erigida pelas forças do III Reich. O que poucos sabem é que o desembarque anfíbio foi precedido pelo assalto de 24.000 paraquedistas, que saltaram em várias posições (DZ - Drop Zones) por toda a Normandia, ou, aterrissaram aleatoriamente onde era possível pelo território, com o emprego de planadores rebocados. 

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Red Bull Air Race irá acabar em 2019!


A Red Bull decidiu não continuar o Campeonato Mundial da Red Bull Air Race após a temporada de 2019. As corridas restantes deste ano são: Kazan, Rússia, 15-16 de junho; Lago Balaton, Hungria, 13-14 de julho e Chiba, Japão, 7-8 de setembro.

Foram mais de 90 corridas desde que a Red Bull Air Race começou em 2003. Elas deram aos pilotos mais excepcionais do mundo a oportunidade de competir em alta velocidade voando a baixa altitude com manobras extremas. A Red Bull Air Race oferecia entretenimento esportivo da mais alta qualidade, mas não atraía o nível de interesse externo, como muitos outros eventos da Red Bull em todo o mundo.

A Red Bull agradece aos pilotos, suas equipes, parceiros, às cidades anfitriãs e aos funcionários da Red Bull por tudo o que fizeram para tornar esses eventos agradáveis e memoráveis.

Fonte: Red Bull

domingo, 26 de maio de 2019

Blue Angels aposentam o C-130T Fat Albert


Os Blue Angels da Marinha dos Estados Unidos aposentaram oficialmente seu atual C-130T Hercules, carinhosamente conhecido como Fat Albert. Quarta-feira, 22 de maio de 2019, o tenente-coronel Mark Montgomery e o capitão Beau Mabery, juntamente com o restante da tripulação da Marinha, completaram seu voo final a bordo do C-130T Hercules, BN 164763, voando de NAS Pensacola para Fort Worth, Texas. O C-130T passará o resto da sua vida em Fort Worth como treinador terrestre para novas tripulações de C-130.

O C-130T da equipe foi entregue a equipe em 2002, e fez sua estréia no portões abertos de 2002 dos Blue Angels no final de 2002. Desde então, tem sido responsável por levar a equipe e os equipamentos da equipe a todos os shows, ano após ano. 

Desde meados de 2016, o Fat Albert teve uma presença menor nos shows, bem como na demonstração da equipe. Em agosto de 2016, Fat Albert foi para a Tinker AFB em Oklahoma para um processo de remoção de tinta e um período de manutenção. Em seguida, ele passou um tempo na Base Aérea Hill em Utah para uma revisão completa de manutenção antes de ser devolvido para a equipe.

Em julho de 2017, o Fat Albert foi novamente forçado a ficar no solo após um acidente com um KC-130 no Mississippi. O Fat Albert permaneceu de castigo até o final de 2017, e depois que uma investigação do acidente foi concluída, um novo conjunto de adereços foi encomendado para o Fat Albert e instalado antes do Pensacola Beach Air Show 2018. Mesmo assim, Fat Albert voou para o público em poucas ocasiões, e nunca mais voará em shows aéreos.

Embora o atual Fat Albert tenha diminuído nos últimos anos, ele também fez parte de várias ocasiões especiais. Em 2009, tornou-se a última aeronave a usar as garrafas de JATO da era do Vietnã, uma das favoritas dos fãs. Além disso, voou sob o indicativo “Blue Angel 6” em junho de 2016, quando levou para casa o corpo do capitão Jeff Kuss após o acidente fatal em Smyrna, Tennessee.

Atualmente, não se sabe quando a equipe irá adquirir um C-130 mais novo para uso permanente, mas é provável que a equipe peça emprestado C-130's para serviço logístico até lá. 

Artigo publicado originalmente no site

terça-feira, 23 de abril de 2019

Cerimônia marca giro do motor de P-47 da Segunda Guerra Mundial


O Museu Aeroespacial (MUSAL), ligado ao Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (INCAER), realizou nesta segunda-feira (22/04) a cerimônia do giro do motor do Republic P-47 Thunderbolt, aeronave de caça utilizada pela Força Aérea Brasileira (FAB) na Segunda Guerra Mundial. Realizada no MUSAL, no Campo dos Afonsos (RJ), a solenidade ocorreu em alusão ao Dia da Aviação de Caça, celebrado em 22 de abril, com a presença do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez.



Para o Comandante da Força, o vetor é um marco dos primórdios da Aviação de Caça no Brasil. "Pilotos de caça de ontem, de hoje, e futuros pilotos prestigiaram o evento para ouvir o roncar do avião que, para nós, é o ‘Trator Voador’. Ele traz o simbolismo, a lembrança e, logicamente, uma significativa e merecida homenagem àqueles que nos antecederam, os veteranos do 1º GAVCA, que voaram nos céus da Itália e, depois, o trouxeram para o Brasil", destacou o Comandante.

A restauração da aeronave foi promovida pelo Projeto Quatro Setinho, criado com o objetivo de recuperar e manter o propulsor de uma das aeronave pertencentes ao acervo do MUSAL. Foi realizada uma completa revisão dos seus sistemas operacionais com a participação da FAB, da Associação de Amigos do MUSAL, da Helisul Táxi Aéreo e de outros colaboradores. A última vez que o motor do P-47 havia sido acionado foi em 2016.

De acordo com o Diretor do MUSAL, Brigadeiro da Reserva Luiz Carlos Lebeis Pires Filho , quando foi idealizada a reforma do motor, era inevitável que o giro ocorresse no Dia da Aviação de Caça. “Um dia, apareceu um piloto comercial, Fernando Crescenti, e Gilson Campos, da Associação dos Amigos do Museu Aeroespacial, com a ideia de fazer voltar a girar o motor do P-47, que não acontecia desde 2016 por questões de segurança. Quando me perguntaram se havia um dia especial para que isso acontecesse, eles acharam estranho eu responder na mesma hora: 22 de abril. Não existe outra data para girar Clique aqui para baixar a imagem originalesse avião que não o Dia da Aviação de Caça. Foi muito prazeroso concluir esse projeto”, disse.

O Republic P-47 Thunderbolt, foi o maior e mais pesado caça na história da aviação a ser motorizado por um único motor de combustão interna. Durante a Segunda Guerra, foi um dos principais aviões de caça utilizados pela Força Aérea dos Estados Unidos e por outras Forças Aliadas, incluindo a FAB no 1º Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA). Equipado com quatro metralhadoras calibre .50 em cada asa, foi empregado pelo Brasil como caça-bombardeiro. Seu peso podia chegar a oito toneladas e tinha uma velocidade máxima de 704 km/h.

Brigadeiro da Reserva Luiz Carlos Lebeis Pires Filho

O exemplar de matrícula FAB 4184 foi entregue ao MUSAL em 1987. Em 1990, a pedido do Comandante do 1º GAVCA durante o conflito, Brigadeiro do Ar Nero Moura, foi pintado para representar o B4 do Tenente Luiz Lopes Dornelles, piloto abatido e morto na Itália quando executava sua 89ª missão, em 26 de abril de 1945.

O Dia da Aviação de Caça é celebrado em 22 de abril em alusão à mesma data em 1945, quando uma grande ofensiva do 1º GAVCA contabilizou 44 decolagens em 11 missões em um único dia. Ao fim do dia, o Grupo destruiu mais de 100 alvos. Foi o maior número de missões de combate despachadas em um mesmo dia durante a participação da FAB na Segunda Guerra Mundial.

Fonte: Agência Força Aérea Brasileira

domingo, 7 de abril de 2019

SUN 'n FUN 2019 AO VIVO!



Acrobacia Aérea no "Fly Courchevel 2019"


A acrobacia aérea foi o grande destaque do Fly Courchevel 2019,  e, a uma altitude de 2007 metros acima do nível do mar, proporcionou imagens de uma clareza fantástica e de um azul profundo sem igual. E nesse ambiente com temperatura amena que variou entre zero e 3C graus durante o dia, sem ventos fortes e céu completamente limpo todos os presentes assistiram a um evento aéreo de primeira linha para começar a temporada de eventos aéreos na França.

terça-feira, 2 de abril de 2019

Fly Courchevel 2019


          A exatos 2007 metros de altitude acima do nível do mar em meio as montanhas dos Alpes franceses existe um "altiporto" dos mais míticos do mundo da aviação extrema, o Altiport de Courchevel, o mais alto de toda a Europa e o segundo mais alto do mundo!

          E nesse ambiente com temperatura amena que variou entre zero graus durante o dia e - 3C° na noite, em um misto de aventura na montanha com o glamour de uma das mais seletas estações de esqui do mundo é aonde aconteceu o "Fly Courchevel" 2019, um evento aéreo que já está em sua terceira edição, em um ambiente seleto e muito organizado. 

          O evento nasceu a partir das duas primeiras edições do Salon du Hélicoptère de Courchevel, realizados nos anos de 2015 e 2016, e  que acabou evoluindo para o modelo atual, o qual promete crescer e se transformar em um grande evento anual para a aviação de montanha. O Fly Courchevel é até o momento o único evento aéreo da região dos Alpes franceses e de toda a Europa realizado em temporada de inverno, que nos Alpes se estende até algumas semanas mesmo depois da entrada oficial da primavera, pois devido a altitude, frio e neve acabam somente ao final de abril.

          O evento contou com a tradicional presença da aviação de asas rotativas das empresas que operam os voos de montanha assim como da PGHM da Gendarmerie, Sapeurs-Pompiers/Securité Civile entre outros helicópteros particulares e de empresas de serviços aéreos especializados.

          Na Aviação de asa fixa o grande destaque foi a presença da EVAA, a Equipe de Voltige de l'Armée de l'Air, Equipe Adrenalin Flight e pilotos da Red Bull Air Race que realizaram cada um, duas demonstrações por dia.

* Aviação de montanha é considerada como aviação especializada devido às particularidades de operações e de toda uma série de riscos e restrições operacionais envolvidas.

Estandes

          Como o evento tem também um lado cultural, foi bem organizada a presença de stands de empresas ligadas à aviação e projetos turísticos locais, com um destaque interessante para a "Aero Desingn" que fabrica móveis a partir de peças de aeronaves recicladas e renovadas e também a "Lisa Airplanes" com a exibição de excelentes projetos para viagens de aventuras com a aviação turística de pequeno porte.

Aeronaves presentes da exposição estática:

- Vulcanair Aviator TP W600
- Pilatus PC-6 Porter,
-Jodel D-140 Mousquetaire
-Cessna 172,
-Quest Kodiak
- Extra 330
- Autogiro DTA
- ULM ICP Savannah Hydro
- Bell 206
- Agusta A109
- G2 Cabri
- AS350 Esquilo

          Muitos outros equipamentos marcaram presença no decorrer do período, porém ocorreu na região uma visita surpresa do Presidente da República da França à um evento de uma cidade nas proximidades de Courchevel, e por questões de segurança o tráfego aéreo local da região da Savoie e Haute Savoie foi restrito ao voo por várias horas, o que impediu a presença de mais aeronaves e até mesmo da equipe de demonstração de helicópteros da Armée de Terre (Exército Francês).

Sobre o Altiporto de Courchevel e suas operações

          Durante o evento o Altiporto de Courchevel recebeu o incremento de equipes de apoio da secretaria de turismo da Ville de Courchevel, que organizou desde um eficiente policiamento que muito auxiliou na gerência da circulação de veículos pela cidade, assim como com equipes de segurança civis que vigiavam as ruas repletas de estacionamentos e com micro-ônibus para o transporte gratuito até o altiporto.

          Nas operações aéreas e de pista a equipe do Altiporto de Courchevel se desdobrou em suas atividades desde o controle de tráfego de aeródromo local, no reforço do serviço de bombeiros e finalizando pelo muito bom atendimento de pista para aeronaves e passageiros.

          Com uma equipe de sete pessoas, todos trabalham em quase todas as atividades operacionais em rodízio de escala pois curiosamente é um dos poucos casos de profissionais "multi-emprego" devido à um interessante perfil pessoal de profissionais que amam o que fazem na aviação; pois alguns dos funcionários que cuidam das informações de voo também atuam como bombeiros de aeródromo e até mesmo no atendimento de pista!

As instalações do Altiporto contam com a seguinte estrutura:

          Pista de 537 metros por 80m de largura + área de pátio com 300 metros utilizáveis e com 18,66% de inclinação horizontal, sendo essa a maior inclinação operacional do mundo, e também a 2° maior altitude para um altiporto operacional do mundo, a 2007 metros acima do nível do mar, perdendo apenas para o Altiporto "Ténzing-Hillary" no Nepal (2860MSL com inclinação horizontal de 12%).

L'altiport de Courchevel (code AITA : CVF • code OACI : LFLJ)
- 1 hangar com capacidade para até 10 aeronaves de pequeno a médio porte.
- 1 caminhão auto-bomba modelo VIM 12 de 2,5 ton.
- 1 trator de push-back para aeronaves até médio porte.
- 1 micro ônibus de 8 lugares para transporte de passageiros.


** Observação importante é que altiportos de montanha pertencem a uma categoria à parte dos aeroportos convencionais de pista plana com suaves gradientes de inclinação angular em sua extensão, caracteristicas essas que permitem a arremetida em caso de necessidade. Sendo assim não vale a eventual comparação com aeroportos em grande altitude como o de Daocheng no Tibet (elevação à 4.441m, o mais alto do mundo) ou o de La Paz na Bolivia (Elevação à 4.061m).









Yam Wanders
Editor/Fotografo.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

20 ANOS ATRAS; O ENCONTRO QUE COMEÇOU TUDO!


               Em abril de 1999, 65 P-51 Mustangs e 12 pilotos lendas no Mustang da Segunda Guerra Mundial chegaram à base de operações da Stallion 51 Corporation em Kissimmee, Flórida, para uma reunião; “A classe de 51”, reunindo os aviões e os pilotos que fizeram história.

              Aeronaves e pilotos de todo o país voaram para o Stallion 51 para participar de um seminário de dois dias sobre segurança de voo no Mustang, que incluiu treinamento recorrente, manutenção e, é claro, voo de formação. Os pilotos vieram aprender, mas os Mustangs vieram brincar.

              Originalmente, planejado para ser um seminário educacional para os pilotos/proprietários do Mustang, mas quando os Mustangs voaram, trouxeram com eles seguidores e fãs famintos pela história. Milhares de pessoas apareciam todos os dias, apenas para assistir e ouvir, ouviam os Merlins iniciarem quando saíam para um voo de treinamento, assistiram os pilotos passarem caminhando em direção dos aviões antes do voo, para pegar um Um vislumbre dos ases que eles tinham apenas lido ou visto em preto e branco. Todos ali naquele fim de semana testemunharam algo especial, não um show aéreo no sentido tradicional, mas uma espécie de comunhão honrando os sacrifícios de homens e mulheres talentosos que projetaram, mantiveram e voaram essas grandes máquinas. Eles se lembraram de momentos em que nós, como nação, fomos chamados a fazer grandes coisas e respondemos tão alto quanto um motor Merlin decolando.

              Enquanto os Mustangs se alinhavam para uma surtida de treinamento, milhares de participantes se alinharam na pista de taxiamento como se fosse um evento de tapete vermelho de celebridades. Enquanto os Mustangs estavam no ar, as Lendas se reuniram para compartilhar suas histórias com a multidão e entre si. Eles eram todos estrelas do rock nos olhos da multidão e tiveram toda a atenção. As Lendas falavam com uma multidão faminta por cada palavra contando histórias de amizade e companheirismo; lembrando de amigos que não poderiam estar lá.

              Para aqueles que participaram do Encontro de Mustangs e Legends de 1999, eles sabiam que tinham feito parte de algo especial, um “Woodbird Warbird”. O gosto de história viva os deixou querendo mais, mais voos, mais saídas, mais tempo com as lendas antes de partirem. O Encontro de 20 anos atrás acendeu a paixão de reunir todos pela última vez no Gathering of Mustangs and Legends; O Round Up Final no Aeroporto Internacional Rickenbacher em Columbus, Ohio, em setembro de 2007. Para alguns, será a rodada final e pungente que eles pudessem se reunir uma última vez para lembrar e celebrar o que fizeram juntos.

              Durante quatro dias, mais de 150.000 pessoas vieram ver os 87 Mustang e mais de 100 Warbirds prestaram homenagem aos pilotos lendas no Mustang na Segunda Guerra Mundial que estavam presentes. Foi um festival de amor de aviação que surgiu do evento de 1999 no Stallion 51, vinte anos atrás, em abril deste ano. Embora esse primeiro Encontro seja passado, as memórias ainda estão frescas e o anseio por mais ainda está lá.

Fotos por Paul Bowen / Artigo por KT Budde-Jones


Artigo publicado originalmente em
Traduzido por Rock & Aircraft.

domingo, 24 de fevereiro de 2019

10 F4U Corsairs estarão no Thunder Over Michigan 2019.

            A última vez que mais de cinco Corsairs se reuniram foi no show aéreo de Corsairs Over Connecticut em 2011 (cinco deles estão aqui desde o evento de 2010), mas faz décadas que um show aéreo não via dez ou mais... e isso só poderá acontecer no show aéreo Thunder Over Michigan em Willow Run, que acaba de confirmar seu décimo participante! (foto de Richard Mallory Allnutt).

            Thunder Over Michigan , organizado pelo Yankee Air Museum em Ypsilanti, Michigan, é um dos shows aéreos mais populares nos Estados Unidos. Este ano, os organizadores estão organizando o que poderá ser o maior encontro de Corsair em décadas. Na verdade, Michael Luther, o diretor do show aéreo, acaba de anunciar o 10º Corsair na lista de participantes esperados! “Estamos muito animados para organizar essa reunião. O Corsair é um dos aviões favoritos da Segunda Guerra Mundial para muitos entusiastas. Convidamos todos os operadores dos EUA e também os europeus. Estamos muito animados para ter agora dez aviões confirmados. No entanto, não vamos parar por aqui e tentaremos adicionar mais alguns! ”
Senhores - liguem seus motores… Conseguem imaginar uma cena como essa com dez F4U Corsair!!! (foto de Richard Mallory Allnutt).

Os dez F4U Corsair confirmados até agora são:

F4U-7 Bu.133722 – Erickson Aircraft Collection

F4U-7 Bu.133710 – John O’Connor

F4U-5N Bu.123168 – Fighters & Legends

F4U-4 Bu.97143 – Jim Tobul

FG-1D Bu.92508 – Military Aviation Museum

F4U-4 Bu.97388 – Wings Of The North

FG-1D Bu.92468  – Commemorative Air Force – Dixie Wing 

F4U-5NL Bu.122179 – Collings Foundation

FG-1D Bu.88090/NZ5612 – Louis Horschel

FG-1D Bu.67089 – Ronald Lauder
Três dos Corsairs se enfileirando para sua foto-chamada em Corsairs Over Connecticut em 2005. (foto por Richard Mallory Allnutt).
John O'Connor fez alguns fly-bys em Illinois em seu recém-reformado Chance-Vought Corsair. Ele teve uma aeronave pintada com cinza AU-1 na Base Aérea dos Fuzileiros Navais em Quantico, Virgínia, no final da vida útil do Corsair nos EUA. Esta aeronave é, na verdade, é uma das três variáveis ​​sobreviventes da F4U-7, todas as servas com o Aeronavale francês. (foto de Greg Morehead)
Restaurado pelo falecido Gerry Beck, o Vought F4U-4 Corsair Bu.97388 está sob cuidados do Wings of the North Museum atualmente. É ótimo ver-lo no ar novamente. (foto de John Chvatal / Olhando para a TV Skyward)
O FG-1D Corsair da CAF Dixie Wing. CAF adquiriu esta aeronave em 1961. (Foto de Luigino Caliaro)
Jim Tobul em seu magnífico F4U-4 estará sobrevoando Pearl Harbor para comemorar o Dia VJ-J. (foto via Greg Leach)
O Corsair F4U-7 da Coleção de Aeronaves Erickson sobre o belo noroeste do Pacífico durante um Air2Air em 2014. (foto de Matt Booty)
John Fuentes voando no FG-1D Corsair do Museu da Aviação Militar. (foto de Richard Mallory Allnutt)
F4U-5N da Fundação Collings. (foto de Richard Mallory Allnutt)

Compre o seu ingresso abaixo.

Artigo publicado originalmente em
Traduzido por Rock & Aircraft.