sábado, 24 de março de 2012

Noruega decide aumentar pedido e estuda acelerar entregas dos caças F-35


Nesta sexta-feira, a Lockheed Martin recebeu a notícia de que a Noruega pretende aumentar a sua encomenda para o caça F-35 Joint Strike Fighter em quatro aviões, e está pensando em antecipar a entrega dos dois jatos destinados a formação inicial em um ano, para 2015.

A Lockheed disse que o movimento mostrou “confiança” do Governo norueguês no programa F-35, e se comprometeu a trabalhar estreitamente com o governo norueguês para acomodar e implementar seus novos planos.

Lockheed está desenvolvendo três variantes do novo caça furtivo ao radar para os militares dos EUA e dos oito países parceiros que estão ajudando a financiar o seu desenvolvimento: Grã-Bretanha, Noruega, Canadá, Dinamarca, Itália, Turquia, Austrália e Holanda.

O Departamento de Defesa dos EUA em fevereiro anunciou o plano de adiar a encomenda de 179 jatos F-35 para economizar US$ 15,1 bilhões nos próximos cinco anos e permitir mais tempo para os testes antes de aumentar a taxa de produção do programa que atualmente está avaliado em 382 bilhões de dólares.

A atitude dos EUA, parte de uma unidade do Pentágono para cortar gastos de US$ 487 bilhões na próxima década, teve uma pressão orçamentária no exterior que levou alguns países a repensar suas próprias encomendas. A Itália, por exemplo, reduziu o seu pedido em 41 aviões, de 131 para 90.

O orçamento de defesa da Noruega permanece entre os mais altos per capita na Europa, e na sexta-feira, foi divulgou um documento que pede um aumento de 7 por cento nos gastos de defesa entre 2013-2016, parte de “um reforço temporário… dedicado à compra da nova frota de caças F-35 da Noruega.”

O jornal disse que a Noruega tem como objetivo adquirir 52 caças F-35, incluindo os quatro aviões de treinamento, a partir de 2015, e até 2023 ou 2024, um plano que verá o fluxo de financiamento inicial para Lockheed em 2013.

O plano anterior previa que a Noruega compraria 48 aviões a partir de 2016 até 2020, segundo um documento preparado pelo escritório do programa F-35, com um financiamento inicial começando em 2014.

A Noruega disse que esticando as encomendas durante um longo período lhe daria maior flexibilidade e ajudaria a distribuir o custo de forma mais uniforme. Ela disse que não estava revisando sua estimativa para o custo de aquisição dos aviões, apesar das mudanças nas encomendas dos Estados Unidos e outros países que poderiam tornar o preço mais elevado.

A declaração norueguesa destacou que o Parlamento do país estaria envolvido em cada aquisição anual de aeronaves, e disse que os últimos seis pedidos de aviões de produção seriam confirmados numa fase posterior.

O Escritório do programa F-35 no Pentágono também saudou a notícia da Noruega e disse que iria continuar a trabalhar em estreita colaboração com as forças armadas da Noruega no desenvolvimento do F-35.

Fonte: Baltimore Sun

Nenhum comentário:

Postar um comentário