sexta-feira, 23 de março de 2012

USAF não tem verba para substituir o J-STARS


  A Força Aérea dos EUA concluiu uma análise de alternativas (AOA) para a sua próxima geração de aeronaves com radar Indicador de Alvos em Movimento no Solo (GMTI), mas os líderes membros do serviço disseram que a USAF não pode se dar ao luxo de implementar as recomendações do estudo.

 “A realidade é que não há espaço suficiente para empreender um novo início de negócios de classe de uma plataforma ISR (inteligência, vigilância e reconhecimento)”, disse o chefe de gabinete da USAF, General Norton Schwartz, durante uma reunião junto ao Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA, em 20 de março. “Nós simplesmente não temos os recursos.”

A USAF aprovou o estudo em janeiro e transmitiu-o para o escritório de Avaliação de Custos e Avaliação de Programas (CAPE) do Departamento de Defesa dos EUA para análise. O CAPE tem que dar o seu parecer favorável antes da AOA estar formalmente aprovado.

  Embora a análise da força aérea exige uma mistura de aeronaves não-tripuladas Northrop Grumman RQ-4B Global Hawks Block 40 e de uma aeronave ISR baseada num jato executivo, Schwartz disse que o serviço terá que operar sem uma nova plataforma tripulada. Em vez disso, diz ele, o atual Northrop E-8C Joint Surveillance Target Attack Radar System (JSTARS) terá que fazer.

  A USAF tem duas grandes prioridades que não pode pagar: o programa GMTI e a aquisição de um novo jato de treinamento para substituir os antigos Northrop T-38 Talons.

Fonte: Flight Global

Nenhum comentário:

Postar um comentário