terça-feira, 3 de abril de 2012

USAF pretende ajustar os termos do LAS e não refazer todo processo


A Força Aérea dos EUA disse nessa segunda-feira que vai alterar, ao invés de refazer, os termos da competição que poderá chegar a US$ 1 bilhão para fornecer aviões de ataque leve para o Afeganistão.


A empresa privada Sierra Nevada e a brasileira Embraer venceram a Hawker Beechcraft no programa Light Air Support (LAS) em dezembro. Mas a Força Aérea dos EUA cancelou a adjudicação do contrato inicial, avaliada em US$ 355 milhões, quando descobriu um erro enquanto se preparava para uma ação movida pela Hawker, contestando a decisão no tribunal federal de reclamações.

A USAF não deu detalhes sobre as alterações propostas.

O tenente-coronel da Força Aérea Wesley Miller disse que o serviço ainda estava trabalhando nos detalhes, mas espera liberar a emenda neste mês. Ele acrescentou que uma investigação separada para o processo de aquisição está em andamento.

Apenas a Sierra Nevada e sua rival para o contrato, a Hawker Beechcraft, estariam permitidas para apresentar as propostas, disse ele.

A Força Aérea dos EUA no mês passado abruptamente rescindiu o contrato com a Sierra Nevada para os 20 aviões de ataque leve Super Tucano, depois que descobriu que a documentação estava inadequada para o prêmio durante a preparação para o processo Hawker.

O serviço anunciou no dia 23 de março que estava estendendo uma investigação sobre o erro da contratação.

O incidente teve um grande impacto nas notícias no Brasil, onde funcionários do governo foram pegos de surpresa pelo cancelamento da encomenda por Washington para o avião Super Tucano. O problema pode ser levantado quando a presidente brasileira, Dilma Rousseff visitar Washington na próxima semana.

Oficiais da Força Aérea descreveram o incidente como constrangedor e decepcionante, especialmente tendo em conta uma série de problemas na aquisição de outros aviões na última década. Eles esperam poder investigar o assunto rapidamente e avançar com uma nova competição para garantir que o governo afegão possa ainda receber em breve uma encomenda inicial para construir a sua força aérea.

Um funcionário da Defesa disse que o serviço estava levando mais tempo para concluir porque a Força Aérea queria ter certeza que a documentação padrão não seja um problema sistêmico em todo o serviço.

A Sierra Nevada está buscando uma rápida retomada do concurso e que espera que não sejam reduzidos os requisitos estabelecidos em comparação com as propostas originais, a partir do qual o Hawker Beechcraft AT-6 estaria desclassificado.

A Sierra Nevada disse que os Super Tucanos da Embraer estão em uso por seis forças militares ao redor do globo.

A Hawker tem insistido que seu avião AT-6 é a aeronave de ataque leve mais capaz, acessível e sustentável no mercado. A empresa está pedindo que a Força Aérea reveja as suas exigências de avião de ataque leve, argumentando que nem mesmo os jatos dos EUA na linha de frente de combate poderiam satisfazer os requisitos como estão escritos.

A Hawker na segunda-feira entrou formalmente com o pedido de concordata com vários credores grandes, dando-lhe “tempo e flexibilidade para reestruturar a folha de débitos da companhia e colocar a Hawker Beechcraft numa melhor posição no longo prazo”, disse Steve Miller, presidente-executivo da empresa que foi adquirida pela Goldman Sachs em 2007.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário