terça-feira, 1 de maio de 2012

Força Aérea da Argentina nunca recuperou sua capacidade operacional depois da Guerra das Malvinas


Oficiais no comando da Força Aérea da Argentina admitiram que desde a guerra das Malvinas, nunca a força aérea do país recuperou a sua capacidade operacional, mas, apesar das deficiências e cortes no orçamento as novas gerações de pilotos militares estão concluindo sua formação e horas de vôo “normalmente”, mesmo quando a imprensa noticia o contrário.

“Sim, posso dizer que perdemos uma centena de aeronaves durante e após a guerra das Malvinas e que nunca recurperamos nossa capacidade operacional. O número não divulgado é estratégico, e você deve levar em conta que as aeronaves em combate são forçadas ao máximo e isso tem suas conseqüências, estica e limita severamente a vida útil do equipamento. No entanto, mesmo que não tenhamos recuperado as perdas, conseguimos realizar a manutenção e até mesmo reformar algumas aeronaves para que nossa capacidade de formação seja totalmente cumprida”, disse o Brigadeiro Eduardo La Torre, chefe da Escola de Aviação Militar com sede em Córdoba.

Em entrevista ao jornal de Córdoba, diário La Voz del Interior, o Brigadeiro La Torre disse que a antiga aeronave de treinamento Mentor está passando por um relatório de viabilidade, mas, ao mesmo tempo, há um plano para substituí-los com o jato de treinamento projetado e fabricado na Argentina Pampa IA-73, como uma conseqüência do re-lançamento da fábrica de aviões da Argentina, Fadea em Córdoba.

O brigadeiro insistiu que com o equipamento de aeronaves existentes e operacionais da escola de aviação pode-se treinar pilotos militares argentinos em qualquer uma das diferentes opções: piloto de helicóptero, piloto de caça, ou de piloto de aeronaves de transporte. “Todas as aeronaves de treinamento estão operacionais.”

Finalmente referindo-se ao fato de que muitos pilotos militares estão optando seguir para o setor privado, o Brigadeiro La Torre disse que eles representam ‘perdas’ para a força, e “economicamente significativos” para o país, dados os recursos envolvidos na sua formação.

“Mas não é um êxodo, e há motivos diferentes: alguns são profissionais e de repente o piloto se sente frustrado porque ele não pode subir muito na carreira como pilotos de outros países, e ele não sente que há incentivos econômicos, gerando uma crise na sociedade de consumo. Existem dúvidas, mas algumas permanecem, tal é o meu caso, porque a experiência da guerra das Malvinas me ensinou “o que defendemos” e que a nossa tarefa é essa, portanto, nosso compromisso é irredutível. Eticamente deixar a força eu acho que é errado, mas devo também admitir que é uma tendência mundial”, concluiu o argentino Brigadeiro da Força Aérea.

Este ano, a Escola de Aviação Militar Argentino está comemorando seu aniversário de 100 anos, e no dia 1° de maio a Força Aérea Argentina comemora os trinta anos desde o ‘batismo de fogo “quando se envolveram em combates com a Força-Tarefa britânica.

Fonte: Merco Press

Nenhum comentário:

Postar um comentário