sábado, 19 de maio de 2012

Força Aérea dos EUA se recusa a adquirir caças F-35B para substituir os A-10



A Força Aérea dos EUA abandonou a ideia de substituir seus jatos de ataque Fairchild A-10 Thunderbolt II por aviões mais avançados F-35B Lightning II, de decolagem curta e pouso vertical (STOVL). O chefe do Estado-Maior da Força Aérea dos EUA, general Norton Schwartz, afirmou que os F-35B são incapazes de garantir a frequência necessária de voos.

O general continuou que a Força Aérea precisa de um avião capaz de executar rapidamente missões em todo o teatro de operações, e não apenas em algumas operações. Ao mesmo tempo, Schwartz destacou que os F-35B satisfazem plenamente as necessidades da Marinha dos EUA, e deve continuar sua busca de integrar cada vez mais as forças armadas norte americanas, como parte do novo conceito de batalha AirSea do Departamento de defesa dos EUA.

“O F-35B é bem adequado para apoiar a Força Tarefa Aérea Terrestre dos Fuzileiros (MAGTF) em locais muito austeros”, disse o Chefe de Estado Maior General Norton Schwartz, falando num evento organizado pelo Brookings Institution, em Washington, DC. “Mas a realidade é que o cenário não é de alto númeto de surtidas”.

A USAF e a Marinha dos EUA precisam de uma maior taxa de geração de surtidas que o F-35B pode proporcionar, disse Schwartz.

“Nós pensamos que é necessário uma geração alta de surtidas, a fim de fornecer persistência sobre o alvo e envolver a variedade de alvos que possam existir”, disse ele. “Não numa batalha confinada, mas mais numa base do teatro.”

O F-35B é uma aeronave interessante, disse Schwartz. Mas, já que Força Aérea teve um tempo para considerar a variante como um potencial substituto para o A-10, dadas as restrições fiscais que enfrentam os serviços e a necessidade de gerar mais ataques, a USAF não vai comprar o F-35B, disse ele.

O aposentado Tenente-General George Trautman, um ex-vice comandante de aviação dos Fuzileiros Navais dos EUA, contesta a afirmação de Schwartz de que o F-35B não pode gerar tantas saídas como as versões A e C.

“O F35B tem uma maior taxa de geração de surrtida entre os três modelos do JSF (Joint Strike Fighter”, disse Trautman. “Pode haver outros motivos pela Força Aérea não querer o B, mas a taxa de surtidas não é um fator.”

Na verdade, o conceito de operações dos fuzileiros depende da variante STOVL, gerando mais ataques de forma mais rápida do que outros modelos do JSF, disse o aposentado Tenente General Emerson Gardner, um ex-aviador naval dos fuzileiros.


“Até agora, nos Sistemas de Demonstração e Desenvolvimento (SDD), todas as três variantes estão a caminho de superar seus parâmetros de desempenhi na conclusão do programa SDD”, disse Gardner.

Os caças furtivos como o F-35 não estão correndo o risco de serem substituídos por aviões de combate não tripulados num futuro próximo, porque essas máquinas ainda não são capazes de voar no espaço aéreo protegido por avançados sistemas integrados de defesa aérea.

“A realidade é que pelo menos na atual geração, um avião pilotado remotamente não pode sobreviver no espaço aéreo contestado”, disse Schwartz.

Os caças furtivos de quinta geração, o bombardeiro Northrop Grumman B-2, o recém divulgado Bomabrdeiro de Ataque de Longo Alcance (LRS-B) da USAF, são os recursos críticos para os militares dos EUA para operar dentro de ambientes anti-accesse/área negada (A2/AD).

Esses tipos de aeronaves “vão nos permitir operar no espaço aéreo fechado e fazer valer o nosso acesso”, disse Schwartz, “que são a base para nosso conceito de batalha AirSea.

O novo conceito de batalha AirSea, ainda integrando o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e o Exército dos EUA, é impulsionado principalmente pela Marinha e Força Aérea dos EUA. No seu nível mais básico,

o conceito exige a integração dos ativos da marinha e força aérea para que as aeronaves, navios, submarinos e meios espaciais das duas forças trabalham juntos, disse o chefe de operações navais da Marinha dos EUA, Almirante Jonathan Greenert.

Eventualmente, se tudo correr de acordo com a visão da USAF e da USN, o Boeing E-3 Sentry da USAF ou o Northrop Grumman E-2D Hawkeye da USN poderiam facilmente compartilhar uma imagem comum com um cruzador Aegis e caças F-22 ou F/A-18 Boeing ao mesmo tempo.

Os dois serviços já estão trabalhando numa nova geração de link de dados para compartilhar toda essa informação, disse Schwartz. Mas para plataformas legadas existentes, haverá a necessidade de existir “gateways”, como o Battlefield Airborne Comunicações Node (BACN).
Ao nível da liderança sênior, os comandantes aéreos e marítimos ou comandantes de componentes comuns podem não precisar saber toda a informação detalhada que de outras necessidades.

De imediato, poderá haver muitos dados externos, disse Greenert. No futuro, a informação terá de ser filtrado adequadamente.

Fonte: FlightGlobal


Nenhum comentário:

Postar um comentário