quarta-feira, 9 de maio de 2012

Indra testa seu helicóptero não tripulado ‘Pelicano’ na Espanha


O novo VANTS (veículo aéreo não tripulado) da Indra, o helicóptero Pelicano, realizou um vôo de demonstração no aeródromo de Marugán, na província de Segóvia, na Espanha. Este teste marca o lançamento do novo sistema de helicóptero não tripulado da Indra, que está pronto para entrar em operação. Os vôos ocorreram dentro do UNVEX´12 Conferência e Exposição, a cúpula espanhola de sistemas não-tripulados, cuja segunda edição ocorreu na semana passada em Madri.

A Indra apresentou a sua família de soluções não tripuladas que inclui o mini VANTS Mantis Mini, a última versão de VANTS de asa rotativa Pelicano e os equipamentos de comunicação, o transponder IFF (identificação amigo ou inimigo) e o terminal de vídeo remoto para o programa Atlante, que desenvolve em conjunto com a empresa Cassidian.

Durante o curso da exibição de vôo, o Pelicano completou a missão previamente estabelecida de forma completamente autônoma, desde a descolagem à aterrisagem. O helicóptero enviou em tempo real a uma estação terrestre e às telas de monitoramento instaladas pelos organizadores do UNVEX´12 as imagens obtidas pela carga útil, neste caso um sistema eletro optico de última geração desenvolvido pela empresa.

Dadas as condições climáticas difíceis no aeródromo Marugán ao longo todo o dia, o sistema PELICANO, apto para seu empego tempo a qualquer momento, foi um dos dois únicos sistemas que puderam decolar e fazer a exibição programada com total normalidade.

Pronto para navios

A capacidade de pouso e decolagem vertical e a pequena estrutura do Pelicano, o torna a solução ideal para infraestruturas petroleiras e alto mar e um apoio indispensável em operações navais, vigilância de controle de tráfego, controle de fronteiras marítimas na luta contra atividades ilegais de imigração, tráfico de drogas, tráfico de armas, pirataria, resgate, vigilância dos jogos esportivos, missões de inteligência como gestão de emergências – desastres naturais ou ambientais – e o reconhecimento de grandes áreas.

Durante a UNVEX´12 a Indra apresentou a configuração final do Sistema Pelicano, incluindo a aeronave em sua versão naval, preparada para operar a partir de convés de vôo de navios da Marinha, como fragatas de patrulha BAM ou F80 ou F100-série ou da patrulha da Guarda Civil.

O Sistema Pelicano é capaz de operar por mais de 6 horas equipado com carga útil para missões de inteligência, vigilância e controle de pirataria, como atualmente é feito pelos navios da União Europeia enviados à costa da Somália.

Entre as modificações feitas na configuração naval é destaque a integração de um motor de combustível pesado, em conformidade com um requisito na maior parte das Armadas por razões de segurança e logística. A Indra também desenvolveu um sistema específico para permitir a aproximaão e a aterrizagem totalmente automáticodo helicóptero para o convés de um navio, com a máxima segurança, mesmo nas piores condições meteorológicas.

O sistema Pelicano é o único de suas características projetado, desde o início, para uso naval e demonstra a alta capacitação tecnologica da Indra neste campo.

Além das aeronaves, a Indra apresentou na UNVEX´12 a estação terrestre do Sistema Pelicano, com três postos de piloto e operadores de carga útil e instalado em um conteiner padrão militar para facilitar a sua implantação. A estação de terra pode controlar duas aeronaves simultaneamente e está equipada com os últimos avanços em tratamento de imagem e ergonomia para facilitar a realização de missões de longa duração e a plena exploração da informação.

O sistema Pelicano, na versão terrestre, pode ser transportado em um veículo 4×4 e implantado em menos de meia hora. Ele é capaz de atender às necessidades operacionais de um Sistema Aéreo Não Tripulado tático de curto alcance (até 150 km da estação de controle) e realizar missões de patrulha para ptoteção de forças terrestres.

A Indra também lançou uma versão simplificada do sistema, equipado com cargas úteis diversas e adaptadas às necessidades de uso das forças políciais e dos corpos de emergência para missões de vigilância, gestão de emergência e buscas de sobreviventes. As diferentes versões do sistema Pelicano estarão prontas para a sua progressiva entrada em serviço ao longo de 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário