quarta-feira, 23 de maio de 2012

Peru decide seguir em frente com a modernização de seus caças MiG-29 e Mirage 2000




O Peru vai seguir em frente com uma modernização de US$ 266 milhões das suas antigas aeronaves de combate MiG-29 e Mirage 2000 para sua força aérea poder atender as constantes exigências tecnológicas e capacidade de guerra moderna.

O Peru não enfrenta nenhuma ameaça externa, mas o presidente Ollanta Humala está sob crescente pressão para ser mais pró-ativo na repressão do governo sobre os grupos de guerrilha Sendero Luminoso que causou uma crise entre Ministros no início deste mês, com demissão de ministro da Defesa, Alberto Otarola e o Ministro do Interior Daniel Lozada.

Os ministros foram criticados por sua atuação no resultado do sequestro em abril feito pelos guerrilheiros de 36 trabalhadores da construção civil no sudeste do Peru. Os trabalhadores foram libertados, mas as operações de segurança deixaram nove membros mortos da força do governo.

Em um país carente de recursos de caixa, o gasto de milhões de dólares no recondicionamento de antigos jatos franceses Mirage e aviões de guerra MiG-29 que foram adquiridos da ex-União Soviética levantou dúvidas, mas os analistas explicam que a solução paliativa é a melhor que o país pode gerir no presente.

Críticos dizem que o governo precisa fazer mais para adquirir armas que possam enfrentar a ameaça do Sendero Luminoso.

As alternativas são uma despesa maior ou um empréstimo estrangeiro. Em meio a crise global em vendas de equipamento militar, o Peru não terá problemas para rearmar as suas forças com o crédito de qualquer um dos fornecedores desesperados para aumentar as suas exportações, mas Humala está demonstrando prudência – por enquanto.

Os fornecedores franceses e russos estão em campanha para aumentar as suas vendas da aviação de defesa na América Latina. Outros fornecedores europeus e asiáticos seguiram esse caminho e o Brasil entrou na corrida com a sua aeronave de ataque leve Super Tucano com preços competitivos – que não é páreo para qualquer Mirage ou MiG, mas mais adequado para a luta contra os grupos guerrilheiros.

Membros do governo peruano também estão considerando aeronaves não tripuladas para tarefas militares, mas não chegaram a uma decisão.

As estimativas da força aérea peruana dizem que a modernização de seus jatos Mirage 2000 e MIG-29 implicará um investimento de US$ 266 milhões, disse o jornal Correo Diario.

Os trabalhos nas atualizações já estão em andamento e sua conclusão está prevista para 2014, disse o jornal.

O Peru começou a comprar caças Mirage da França em 1986 e a atualização atual envolve 12 aeronaves. Embora a fabricante do Mirage, a Dassault Aviation estar ajudando com a atualização, autoridades disseram que o grosso do trabalho está sendo realizado por engenheiros peruanos e especialistas em aviação.

A modernização dos 18 aviões MiG-29, contudo, não está correndo tão bem como esperado, porque a maior parte do trabalho exige conhecimentos russos. A remodelação dos MiGs “é provável que custe pelo menos US$ 126 milhões.

Os programas de modernizações começaram há cerca de seis anos sob a presidência de Alejandro Toledo e uma parte fundamental, a formação dos pilotos no uso de novas tecnologias, continua com a ajuda francesa.

Fonte: UPI

Nenhum comentário:

Postar um comentário