sexta-feira, 1 de junho de 2012

Lockheed oferece seu novo C-130XJ para Força Aérea da África do Sul, com possibilidade para instalar equipamentos nacionais


A Lockheed Martin está oferecendo o seu novo “expansível” C-130XJ Super Hercules com máximo conteúdo local para a Força Aérea Sul-Africana (SAAF) para desempenhar suas missões de transporte e de patrulha marítima, e pretende levar uma dessas aeronaves para o evento Africa Aerospace and Defence, em setembro.
A Lockheed Martin está apresentando para a SAAF a sua aeronave C-130XJ, uma variante baseada no modelo J, com o desempenho do modelo J, mas com um menor custo de aquisição devido ao menor número de equipamento instalados. A Lockheed disse que os clientes não precisam de todos os equipamentos dos C-130J operados pela USAF, daí a criação do C-130XJ, que pode ser modificado com equipamentos como e quando necessário. Como o C-130XJ é ligeiramente mais leve que o modelo padrão, pode transportar uma carga útil um pouco maior. O XJ é voltado para o mercado de exportação e, se comprado pela África do Sul, provavelmente teria uma quantidade significativa de equipamento localmente desenvolvido e instalado.
Denny S. Plessas, vice-presidente de Iniciativas de Desenvolvimento de Negócios da Lockheed Martin Aeronautics, disse acreditar que a África do Sul estaria mais interessada num C-130XJ com uma quantidade máxima de conteúdo local. Ele disse que isso iria criar uma “configuração africana”, que poderia ser promovida em outros países africanos. Plessas disse que os países são livres para colocar o seu próprio equipamento no C-130, como a Índia, que acrescentou uma torre electro-óptica e seus aviônicos de comunicações próprios.
Plessas disse que a Lockheed conversou com a Armscor e a SAAF para demonstrar as capacidades do C-130J. “O J ou o XJ é a resposta às necessidades da África do Sul”, disse Plessas, pois pode levar 95% dos equipamentos de missão da África do Sul.
Ele acrescentou que o C-130J poderia fornecer 90% da capacidade de transporte aéreo da SAAF (incluindo o transporte de carga, manutenção da paz, ajuda humanitária, evacuação aeromédica, busca e salvamento, etc). Também poderia atender a 100% do transporte marítimo da SAAF nos requisitos de patrulha de fronteira e 100% de suas necessidades de reabastecimento aéreo, já que o KC-130J com sucesso já reabasteceu os caças Gripen.
Oito das aeronaves C-130BZ da SAAF estão projetadas para continuar voando até 2020, a partir da data anterior de 2015, mas a Força Aérea ainda tem que emitir um pedido de informações (RFI) ou Solicitação de Propostas (RFP) para as substituições. A Lockheed Martin destacou que os aviões tanques Boeing 707 da SAAF foram aposentados em 2007, e que as aeronaves C-47TP são da década de 1940.
Até o cancelamento do A400M, a SAAF previa três aeronaves de transporte, com o A400M desempenhando o papel de transporte pesado/estratégico, uma aeronave do tipo C130 como uma aeronave de transporte médio e um terceiro tipo, como um avião utilitário leve. A Força Aérea está atualmente à procura de aeronaves de patrulha marítima e aeronaves de transporte como parte do Projeto Saucepan, com a Airbus Military apresentando seu C295 para este requisito – a empresa no mês passado levou uma dessas aeronaves para África do Sul como parte de uma turnê de demonstração na África.
A Lockheed Martin destacou a importância da manutenção durante a vida útil e disse que se a África do Sul adquirir o C-130J, mais de 50% de manutenção e infra-estrutura de apoio já está em vigor, já que a SAAF voa o C-130BZ, enquanto a Denel acaba de certificar o C-130 no seu centro de manutenção na África.
A Lockheed observa que o C-130J foi adaptado para as longas missões em temperaturas quentes e nas altas altitudes operadas pela Força de Defesa Nacional Sul-Africana. Junta-se a isso os fatores de patrulha marítima, manutenção da paz, ajuda humanitária e patrulha de fronteira, entre outros. Há um foco cada vez maior sobre as operações de manutenção da paz (a África do Sul tem 2.400 militares destacados) e de patrulha marítima (a operação Cooper está combatendo piratas ao largo da costa leste). Outra possibilidade poderia ser de reabastecimento em vôo, com o C-130J podendo reabastecer os caças Gripen em vôo.
Com relação ao restante da África, Plessas disse que existe um monte de interesse, mas pouca verba para o C-130J no continente, embora os países norte-africanos tenham vontade e condições financeiras. A Tunísia em 2010, comprou dois C-130Js e receberá o primeiro avião no próximo ano, e o segundo em 2014. Enquanto isso, a Nigéria está reformando um pouco de sua frota de C-130.
Plessas disse que o C-130J é uma aeronave comprovada, que atende bem à demanda crescente para mobilidade aérea. Ele disse que as forças aéreas ao redor do mundo estão lutando para adquirir novos recursos de mobilidade aérea mediante cortes orçamentários. “As forças aéreas precisam hoje fazer mais com menos e precisam da flexibilidade e adaptabilidade de um avião multiuso.” A Lockheed afirma que devido a sua flexibilidade de missões e sua capacidade roll on/off de cargas, o C-130J é bom para as forças aéreas que não podem arcar com aeronave dedicada para cada função, como de patrulha marítima, transportes, combate a incêndios, etc.
Até à data, 2.403 aeronaves C-130 de todos os modelos já foram entregues para 73 países ao redor do mundo, incluindo 248 C-130Js, de 320 modelos J encomendados. A frota de C-130J ultrapassou a marca de 845.000 horas de vôo, com mais da metade feita por operadores não-americanos.
Plessas admitiu que o C-130J era mais caro que as aeronaves com motor duplo, como o C-295 e o C-27J, mas disse que, baseado na capacidade de execução de tarefas da aeronave, é a solução mais rentável. Ele também elogiou a manutenção do C-130J e os requisitos operacionais, dizendo que a aeronave só requer 1,07 horas de manutenção homem por hora de voo, e que os aviões utilizados no Afeganistão e no Iraque registraram uma taxa de confiabilidade de missão de 95,8%, uma taxa de disponibilidade operacional de 89,3% e teve uma taxa de intervalo de reparo de 1,8 hora.
Fonte: DefenseWeb

Nenhum comentário:

Postar um comentário