quarta-feira, 6 de junho de 2012

Roupa anti-G usada nos F-22 pode ser a causa dos problemas de hipóxia nos pilotos


O vestuário de pressão (anti-G) na parte superior do corpo Combat Edge, usado pelos pilotos da Força Aérea americana que voam o caça Lockheed Martin F-22 Raptor, pode ser a causa dos sintomas de falta de oxigênio sentidos nos voos dos caças de quinta geração, dizem as fontes.

Enquanto os pilotos precisam de contra-pressão no colete de pressão para liberar as baixas pressões encontradas na cabine do Raptor, o Combat Edge e os sistemas respiratórios associados podem estar fornecendo muita pressão, especialmente em altas cargas “G”.

“Parece um pouco estranho soltar o ar nesta coisa”, diz uma fonte. “Porque você não pode expandir seus pulmões tão facilmente, porque você tem algo restringindo você.”

A carga extra imposta aos pilotos pela pressão adicionada em forças-g poderia estar causando o que está sendo chamado de “excesso de respiração no sistema”.

Um fator de composição pode ser uma condição conhecida como atelectasia acelerada. A condição faz com que os pulmões do piloto tenham problemas em levar o oxigênio para o sistema de sangue, porque o oxigênio puro – oxigênio a 93% no caso do Raptor – e cargas de alta força G configuram os pilotos para uma condição onde os alvéolos nos pulmões sofrem um colapso parcial .

O resultado da atelectasias acelerada é a chamada “tosse Raptor”, onde os pilotos dos F-22 tem uma tosse pronunciada enquanto o corpo do piloto tenta voltar a inflar os alvéolos sob pressão atmosférica normal no chão.

Testes anteriores não teriam descobertos o problema porque o dispositivo de ventilação usado para testar o sistema Combat Edge não compensa o fato dos pulmões do piloto serem incapazes de se expandir tão rapidamente. O dispositivo de respiro sempre projeta o mesmo volume de ar.

A falta de habilidade para testar a restrita expansão manteve a condição sendo vista como um problema. A respiração restrita pode levar a sintomas de hiperventilação ou problemas ainda maiores se o piloto está sofrendo de atelectasia acelerada.

No entanto, diz a fonte, o problema da pressão de vestuário tem sido uma preocupação conhecida desde pelo menos 2000, quando uma semelhante peça de vestuário fornecido pela Boeing estava sendo usada. Mas naquela época, a USAF não acreditava que a pressão extra era uma preocupação séria. Agora, no entanto, a USAF está começando a acreditar que a Combat Edge está por trás dos problemas do Raptor. Mas enquanto a pesquisa atual da USAF está apontando para o Combat Edge como o principal culpado por trás dos sintomas no F-22, a fonte diz que esta é provavelmente apenas uma parte do problema.

Ao contrário dos pilotos dos U-2, que voam apenas após um período de descanso de vários dias depois de cada vôo, os pilotos dos F-22 voam às vezes mais de uma vez por dia. Isto significa que os pilotos estão voando antes que eles se recuperam totalmente dos efeitos da atelectasia acelerada. Assim, quando eles sofrem altas cargas G em voo, eles são ainda mais expostos à pressão a partir do Combat Edge e do respectivo dispositivo de respiração. A exposição ao máximo de oxigênio, enquanto já sofrem de atelectasia acelerada significa uma saturação de oxigênio ainda menor para o piloto. A soma total pode resultar em “algo como hipóxia”, sintomas fisiológicos que têm sido inquietantes aos pilotos dos F-22 desde o ano passado.

“Foi um problema incômodo, mas um problema incômodo depois que estavam no chão”, diz a fonte. “Mas não há limite de exposição para esses caras e mesmo no início de um turno duplo é uma raridade.”

Ironicamente, algumas das medidas de segurança que a USAF adicionou após o serviço liberar os voos, como voar com um filtro de carbono de pressão negativa – que é forçado através do oxigênio sob pressão – e com o sistema de oxigênio regulado no máximo durante todo tempo, provavelmente, agravaram o problema, diz a fonte.

Uma possível solução poderia ser um novo vestuário anti-G concebidos para o Lockheed Martin F-35, o que poderia resolver o alguns dos problemas de pressão. Mas os tripulantes dos F-22 poderão precisar fazer uma pausa de 24 horas entre os vôos, diz a fonte. No entanto, isso causaria um problema de geração de surtidas.

Oficialmente, a USAF afirma que ainda tem de encontrar a causa raiz do problema no sistema de oxigênio. “Nossa diminuição dos riscos e a coleta de dados estão evoluindo com base na nossa experiência e na orientação do Secretário da Defesa. A análise dos dados está nos deixando mais próximo de identificar a causa raiz ou causas, embora não temos ainda os resultados preliminares ou uma data de conclusão prevista para compartilhar no momento”, diz a USAF.

Enquanto isso, os pilotos que voam o F-22 não sofreram quaisquer novos inexplicáveis sintomas de ??hipóxia como incidentes fisiológicas em quase três meses, disse o serviço.

“Nós não tivemos um inexplicável incidente fisiológico desde o dia 8 de março”, diz a USAF.

Fonte: Flight Global

Nenhum comentário:

Postar um comentário