terça-feira, 17 de julho de 2012

Exercícios militares com bombardeiros russos simulam ataques a unidades militares nos EUA


O Washington Free Beacon divulgou: dois bombardeiros nucleares estratégicos russos entraram na zona de defesa aérea dos EUA, perto da costa do Pacífico, no início de julho de 2012, e foram interceptados por aviões de combate norte-americanos, provavelmente F-16, que foram acionados pelo NORAD a partir da Base Aérea de Peterson, no Colorado.

Esta foi agora a segunda vez que a Rússia enviou “bombardeiros com capacidade nuclear para a zona de 322 quilômetros ao redor do território dos EUA nas últimas duas semanas.”

Numa anterior intrusão relatada perto do Alasca, feita por dois bombardeiros russos Tu-95H Bear, fazia parte de exercícios de jogos de guerra no ártico, de acordo com um oficial militar russo.

O bombardeiro Tupolev Tu-95 (na NATO: Bear) é um grande bombardeiro estratégico com quatro motores turboélices e com capacidade de lançamento de mísseis nucleares. Tendo voado pela primeira vez em 1952, o Tu-95 entrou em serviço com a antiga União Soviética em 1956, e deve servir a Força Aérea Russa até pelo menos 2040. Dentre os armamentos estão incluídos as armas nucleares, mísseis ar-superfície e 2 canhões AM-23 de 23 mm na torre dorsal.

Os jogos de guerra russos incluiram “ataques simulados sobre as defesas aéreas, instalações estratégicas e instalações norte americanas.”

A intrusão na costa do Pacífico ocorreu perto da costa americana, mas não entrou na região de 20 quilômetros que os militares americanos consideram o espaço aéreo soberano.

Segundo relatos da imprensa, os vôos de bombardeiros nucleares russos perto do Pacífico e os vôos anteriores perto de Alasca são indicações de que Moscou tem como alvos “duas bases de mísseis estratégicos de defesa capazes de lançar mísses de cruzeiro de longo alcance, a primeira é em Fort Greely, no Alasca, e um segundo local na Base Aérea de Vandenberg, Califórnia.”

O comandante de Fort Greely, no Alasca, foi chamado para comentar sobre esta situação e um porta-voz recusou comentar.

Uma fonte em Fort Greely disse que a base nunca foi notificada sobre o assunto, e só descobriu através de reportagens de jornais.

Aparentemente Fort Greely e a Base da Força Aérea Vandenburg nunca foram notificadas que estavam sendo recentemente alvo dos russos.

Um porta-voz do Pentágono recusou-se a comentar a reportagem.

Fonte: The Examiner

Nenhum comentário:

Postar um comentário