quinta-feira, 26 de julho de 2012

Índia lança competição para substituir seus aviões de transporte Avro


O Ministério de Defesa da Índia, nessa segunda-feira, liberou a proposta avaliada em cerca de US$ 2,13 bilhões para adquirir 56 novas aeronaves de transporte para a Força Aérea indiana poder substituir sua frota de antigos aviões Avro HS748. A reunião do Conselho de Aquisição de Defesa, chefiado pelo ministro da Defesa, AK Antony, liberou a oportunidade para lançar o concurso global para a aquisição dessas aeronaves.

Fontes disseram que as 16 primeiras aeronave serão adquiridas off-the-shelf de fornecedores estrangeiros, que estarão trabalhando em parceria com uma empresa indiana do setor privado ou público. Outro conjunto de 16 aeronaves terão que ter 30 por cento de componentes nacionais, enquanto os restantes 24 aviões terão 60 por cento de peças adquiridas e produzidas localmente.

Ao ser perguntado por que a estatal Hindustan Aeronautics Limited não estava sendo envolvida no projeto, funcionários do ministério disseram que a HAL já estava sobrecarregada com outros projetos, como a produção dos SU-30MKI e atualizações de frotas de aeronaves da Força Aérea da Índia, incluindo do Mirage, do MiG-29 ed o Jaguar. A HAL tem uma vasta divisão de helicópteros e estará envolvida no próximo projeto MMRCA para a produção de 126 aeronaves de combate.

O projeto de 56 aviões iria ajudar no desenvolvimento de uma indústria aeroespacial nacional e na capacidade de realizar tais projetos. A frota de aviões Avro da Força Aérea da Índia foi introduzida na década de 1960 e é usada para o transporte de homens e materiais. A aeronave Avro pode transportar cargas de até sete e oito toneladas.

O Conselho de Aquisição de Defesa autorizou igualmente uma proposta para criar uma nova Agência de Gestão de Compensações de Defesa, que substituirá a atual Agência de Facilitação de Compesações de Defesa. Fontes disseram que a nova agência estará sob a direção do Departamento de Produção da Defesa. A reunião serviu também para aprovar a inclusão da transferência de tecnologia e de tecnologias críticas como offsets de defesa.

De acordo com o processo de assinaturas de contratos de Defesa, qualquer fornecedor estrangeiro que receber um contrato avaliado em mais US$ 53 milhões precisa reinvestir pelo menos 30 por cento do dinheiro de volta no setor de defesa, aeroespacial civil ou de segurança interna na Índia.

Fonte: The Indian Express

Nenhum comentário:

Postar um comentário