quinta-feira, 12 de julho de 2012

Ministro de Defesa da Índia dá sinal verde para fechar contrato para compra de caças Rafale


O programa indiano para a aquisição de 126 aviões de combate médio multi-função (MMRCA) está chegando ao fim, com o ministério da defesa dando o sinal verde para o processo de avaliação que levou a seleção do caça francês Rafale. O avião foi escolhido porque tinha o menor preço com base no seu custo de ciclo de vida e de transferência de tecnologia. O negócio total avaliado em US$ 20 bilhões possui opções para novas compras.

Respondendo a uma carta escrita no dia 27 de fevereiro 2012, o parlamentar MV Mysura Reddy, alegando manipulação do processo de avaliação do MMRCA, o ministro da Defesa, AK Antony, disse: “As questões levantadas por você foram examinados por monitores independentes que concluiram que a abordagem e metodologia adotada pelo Comitê de Negociações de Contratos (CNC) na avaliação das propostas comerciais, até agora, foram razoáveis e adequadas e dentro dos termos da Solicitação de Propostas (RFR) e do concurso de Defesa de 2006.”

A Força Aérea da Índia no dia 31 de janeiro havia declarado o Rafale como o concorrente preferido, superando a proposta do consórcio multinação Eurofighter. De acordo com as negociações, 18 caças Rafale devem chegar na Índia a partir de meados de 2015, com outros 108 sendo construídos na Índia, através de colaboração.

Conforme relatado anteriormente, Reddy tinha escrito para Antony afirmando: “A suposta manipulação do processo de avaliação na hora de escolher o (Rafale), que resultou na decisão de adquirir 126 jatos MMRCA tem levantado sérias apreensões não só em todo o país, mas também em todo o mundo. Se for tomada uma decisão ruim, a credibilidade do país estará em jogo.”

Dois dias depois, Antony ordenou uma investigação em todos os pontos levantados por Reddy.

Depois de receber a resposta final, Antony na segunda-feira à noite em Hyderabad, Reddy disse que não estava satisfeito com a resposta. “Vou esperar o relatório após o ministério da defesa examinar as recomendações finais do CNC, como prometido pelo ministro da Defesa”, disse ele.

Fonte: Hindustan Times

Nenhum comentário:

Postar um comentário