quarta-feira, 11 de julho de 2012

Novo Gripen vai custar no mínimo 10% a menos que seu antecessor


Os compradores do novo caça Gripen E/F vão ter uma economia percentual em valor de “dois dígitos” com o custo em relação a aeronave antecessora, o Gripen C/D, disse o CEO da Saab nessa terça-feira. Falando no Farnborough International Airshow, Hakan Buskhe disse que o novo caça também vai oferecer um aumento de 25 por cento em capacidade.

A queda dos preços e a alta capacidade era uma especialidade da Saab, disse ele, já que o Gripen C/D tinha custado menos do que seu próprio antecessor, o Gripen A/B, oferecendo um aumento de 20 por cento em capacidades.

Explicando a queda de preço, Buskhe disse: “Você faz isso com carros, por que não com os caças?”

O governo sueco pretende comprar 80 aeronaves Gripen E/F, anteriormente chamados de Gripen NG da Saab. A Suíça também selecionou ele numa possível compra de 22 aeronaves.

Buskhe ligou a política de preços da Saab pela necessidade de competir globalmente, acrescentando que apenas 20 por cento da carteira de pedidos da empresa é na Suécia. A Saab emprega 3.000 engenheiros de fora da Suécia, acrescentou.

A Saab está agora criando uma escola de treinamento de armas Gripen na África do Sul, disse ele.

Em uma aparente referência às empresas que podem contar com generosos contratos de governos locais, disse Buskhe: “Não é difícil construir alguma coisa, se você tiver uma tonelada de dinheiro.” A Saab em 2011, acrescentou que esperava ver um ligeiro aumento nas vendas em 2012.

Bushke disse que o princípio da Saab “valor para seu dinheiro” foi afetado no seu ponto de vista pelas alianças europeias, em muito pela concepção de um novo UAV. A Itália e Alemanha reagiram com indignação aos planos anglo-franceses para formar uma aliança bilateral para UAV, que planeja se abrir para outros parceiros numa data posterior.

Mas Bushke demonstrou serenidade com a possibilidade da Suécia participar posteriormente da liderança anglo-francesa. “Enquanto existe cooperação pode-se oferecer um produto de alta qualidade que é acessível”, disse ele. “Nós não fazemos discussões intermináveis. Em todas outras negócios você começa pedindo que o cliente quer.”

Fonte: Defense News

Nenhum comentário:

Postar um comentário