quinta-feira, 26 de julho de 2012

Novo programa de controle de voo do F-35C facilita aproximações para pouso em porta-aviões


As aproximações para um pouso seguro no porta-aviões só poderão ser um pouco mais fáceis no futuro. A Força Integrada de Ensaios F-35 em Patuxent River completou no dia 4 de maio o primeiro vôo de teste dedicado para avaliar as características de controle de aproximação com novos procedimentos de controle de voo do F-35C Lightning II Joint Strike Fighter. Parte do sefotware versão 2A do novo programa de controle de voo, chamado Controle Integrado de Elevação Direta (IDLC), traduz os comandos do piloto em mudanças coreografadas para a potência do motor e o controle dos movimento de superfície, melhorando consideravelmente o controle durante a rampa aproximação de pouso, de acordo com um piloto de testes. Veja a seguir um vídeo sobre o assunto.
“Eu já pousei os F/A-18 Hornets num porta-aviões, e posso dizer que há uma defasagem muito menor no F-35C com o IDLC”, disse o tenente-coronel dos Fuzileiros Navais Matthew Taylor, um piloto de testes do F-35. “Eu estaria muito a vontade para fazer as aproximações num ambiente embarcado em porta-aviões depois de apenas duas ou três tentativas”. O controle preciso de planeio na aproximação é fundamental para o pouso com segurança no porta-aviões, enquanto o piloto se concentra em manter o glide slope, o ângulo de ataque e a proa.

“Pousando nos porta-aviões com as atuais aeronaves da frota exige que o piloto tenha que fazer dezenas de três partes de correções precisar de potência”, disse o tenente-comandante Robert Bibeau, chefe do departamento de aptidão para porta-aviões no Esquadrão de Teste e Avaliação (VX) 23. “É uma habilidade adquirida, requer prática e concentração intensa, como bater numa bola de beisebol.”

Os pilotos tipicamente qualificam-se para pousar num porta-aviões completando cerca de 30 pousos, quando no treinamento de vôo inicial e quando realiza troca de esquadrões. “Nós temos que gastar uma quantidade significativa de tempo de treinamento nos pousos embarcados, especialmente em pousos noturnos”, disse Bibeau. “Para fazer com que todos os pequenos ajustes sob pressão precisa um trabalho duro do intelecto e reflexos. É imperdoável.” Mas com o novo software de controle de vôo IDLC no F-35, Taylor vê “o potencial para reduzir a carga de treinamento para os novos pilotos que vão para o navio.”

A variante F-35C do Joint Strike Fighter é diferente das versões F-35A e F-35B devido as suas superfícies maiores das asas e o trem de pouso reforçado para suportar o lançamento da catapulta e impacto no pouso associado com o ambiente exigente do porta-aviões. O F-35C está passando por teste e avaliação na Estação Naval de Patuxent River antes da entrega à frota.

Outra mudança para o F-35C é o gancho da cauda redesenhado. A Lockheed Martin está confiante que o gancho de cauda redesenhado estará pronto para os testes de vôo planejados no porta-aviões e atualmente programados para 2014. O gancho inicial não funcionava bem e fazia com que a aeronave perdesse o cabo com muita freqüência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário