quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Real Força Aérea da Austrália introduz seus Super Hornets no exercício Pitch Black


A Real Força Aérea Australiana (RAAF) introduziu seus novos caças multimissão F/A-18F Super Hornet pela primeira vez no exercício multinacional de defesa aérea Pitch Black 2012, que está ocorrendo no norte da Austrália.

Um total de nove caças Super Hornets, pertencentes ao Esquadrão N°1 da RAAF, estão conduzindo operações juntamente com outras aeronaves da Força Aérea, incluindo o Wedgetail de Alerta Aéreo Antecipado e Controle (AEW&C) e os participantes internacionais, durante o exercício.

O comandante do Esquadrão N°1, o Wing Commander Murray Jones, disse que os caças Super Hornet têm proporcionado ao Esquadrão um tremendo aumento na capacidade no Exercício Pitch Black.

“Ao contrário dos F-111 que eram anteriormente operados pelo Esquadrão N° 1, o Super Hornet pode voar missões que combinam combates ar-ar contra caças inimigos e ataques ar-superfície contra alvos terrestres,” acrescentou Jones.

A aeronave está equipada com avançados sistemas eletrônicos, como o radar de matriz de varredura eletrônica ativa (AESA) APG-79, que passam imagens do campo de batalha.

Jones disse: “A cobertura do radar AESA, combinado com um excelente sistema de link de dados, significa que o piloto e o oficial de sistema de armas (WSO) podem ter uma consciência situacional constante do que está acontecendo ao redor deles, e podem realizar quase simultaneamente ataques ar-ar e ar-terra, quando necessário.

“As missões no Pitch Black pode envolver 60-80 aeronaves, por isso é fundamental termos uma visão ininterrupta do que está acontecendo no campo de batalha.”

Segundo o comandante, o desempenho de missão da aeronave aumenta durante a operação com o Wedgetail, que oferece uma cobertura radar contínua para outras aeronaves.

O RAAF possui atualmente 24 caças Super Hornets, que devem atingir a capacidade operacional plena em dezembro de 2012.

O Exercício Pitch Black, que termina no dia 17 de agosto de 2012, tem o apoio de mais de 2.200 militares da Austrália, Cingapura, Indonésia, Nova Zelândia, Tailândia e dos EUA, e apresenta simulações de ofensiva defesa aérea e ofensivas operações de apoio aéreo no espaço aéreo australiano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário