terça-feira, 28 de agosto de 2012

Vice-Primeiro Ministro russo diz que Rússia precisa desenvolver um bombardeiro hipersônico


O Vice-Primeiro Ministro russo Dmitry Rogozin repetiu seu apelo nessa segunda-feira para que a Rússia desenvolva um avião hipersônico através de sua exigência de um bombardeiro de longo alcance PAK DA.

“Eu acho que nós precisamos ir mais fundo nos estudos da tecnologia hipersônica e estamos nos movendo nessa direção, e não estamos ficando para trás dos norte-americanos”, disse ele na TV Rossiya 24. “Vamos usar esta tecnologia no desenvolvimento de um novo bombardeiro”.

A aviação militar de longo alcance é vital para a Rússia e “a questão é se vamos copiar os americanos” numa experiência de quarenta anos e criar um [Northrop] B-2 analógico… ou vamos ir mais fundo buscando uma novo e ultramoderna tecnologia, visando para o horizonte, e criando uma máquina capaz de penetrar as defesas aéreas e conseguir efetuar um ataque em qualquer agressor”, disse ele.

Os recentes comentários de Rogozin surgem apenas alguns dias depois de um teste do veículo não tripulado hipersônico X-51 Waverider dos Estados Unidos ter falhado após quebrar uma aleta de controle e a aeronave cair no mar. O objetivo do teste era provar que o Waverider poderia voar por cerca de cinco minutos em velocidade hipersônica utilizando um moto “scramjet”.

O comandante da Aviação de Longo Alcance da Força Aérea da Rússia, tenente-general Anatoly Zhikharev, disse anteriormente que o primeiro bombardeiro PAK DA (uma sigla russa para aeronaves futuras de longo alcance) deve entrar em serviço por volta de 2020, e sua concepção geral está sendo elaborada. A Tupolev Design Bureau da Rússia, que projetou a maioria dos bombardeiros russos em operação como o Tu-95MS, Tu-22M3 e Tu-160, está liderando o programa.

Em junho, o presidente Vladimir Putin ordenou o desenvolvimento inicial do novo bombardeiro de longo alcance para a aviação estratégica. Falando durante uma conferência sobre encomendas de defesa, Putin disse: “Nós temos que desenvolver o trabalho de um novo bombardeiro PAKDA de longo alcance para a Aviação de Longo Alcance. A tarefa não é fácil do ponto de vista técnico-científico, mas precisamos começar a trabalhar”, disse Putin.

Rogozin disse inicialmente em junho, que ele não via necessidade do PAK DA para substituir a frota de bombardeiros transportadores de mísseis nucleares Tu-95MS e bombardeiros supersônicos Tu-160 da força aérea.

“Essas aeronaves não vaão chegar a lugar nenhum. Nem as nossas, nem as deles”, disse ele numa entrevista com o Izvestia, em junho. Mais tarde, ele esclareceu sua declaração, dizendo que ele era a favor do desenvolvimento de um bombardeiro futuro, mas não apenas uma cópia do B-2, e que deve empregar tecnologia hipersônica.

Em maio, ele disse que a indústria de defesa da Rússia devia desenvolver armas de velocidades hipersônicas como um sistema de ataque futuro. Ele se baseou no trabalho de desenvolvimento dos programas hipersônicos norte americano X-51, Falcon, HiFire e HyFly como exemplos do que ele descreveu como uma ameaça representada pela perspectiva EUA no trabalho de desenvolvimento hipersônico.

“O compromisso deste trabalho nos permite lançar as bases para a criação de um concorrente nacional em armas hipersônicas”, disse ele, acrescentando que o desenvolvimento de uma arma deve ser discutido ao mais alto nível do Estado.

Especialistas aeroespaciais disseram que os comentários de Rogozin são mais propensos a ser relevante para um futuro míssil lançado em vooa, ao invés de um bombardeiro que o lance.

“Eu duvido muito que seja possível fazer um bombardeiro hipersônico dentro deste prazo [2020]“, disse ele. “E não há nenhum ponto. Um bombardeiro supersônico seria útil, mas não hipersônico. Provavelmente, ele está falando sobre um míssil”, disse Maxim Pyadushkin, editor da revista de aviação Russia/CIS Observer.

“Na era soviética havia uma pesquisa considerável em armas de alta velocidade, culminando em projetos como o Raduga Kh-90, que é muitas vezes referido como GELA”, disse Douglas Barrie, analista de guerra aérea no londrino Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

“Nenhum dos trabalhos resultou numa arma em operação. Os elementos desta pesquisa podem ser revigorados como base para uma arma para o PAK DA dentro dos próximos 10-15 anos. O PAK-DA – que deve necessitar um substancial financiamento para ser disponibilizado – será na melhor das hipóteses supersônico, se não um projeto subsônico com algumas características stealth”, acrescentou.

Fonte: RIA Novosti

Nenhum comentário:

Postar um comentário