terça-feira, 25 de setembro de 2012

Força Aérea da Malásia analisa plano para arrendar 18 caças Gripen


A Real Força Aérea da Malásia (RMAF) está considerando uma oferta da Suécia para a locação de até 18 caças Gripen JAS39 para seu programa de aeronaves de combate multi-função (MRCA).

O chefe da RMAF Tan Sri Rodzali Daud disse ao jornal britânico theSun que o leasing dos Gripens é uma solução mais barata, considerando as enormes despesas de capital necessário para a aquisição de novos caças.

“Os Gripens já foram arrendados para as forças aéreas europeias, portanto não há nada de novo sobre tal acordo.

“A aeronave também cumpre todos os requisitos de nossa competição MRCA, embora eu admita que ele possua pouco combustível e autonomia devido ao seu tamanho pequeno”, disse ele quando lhe pediram para comentar sobre as reivindicações por fontes da indústria de defesa de que a Suécia teria oferecido uma opção de locação-compra para o Gripen.

As fontes disseram ao theSun que a oferta foi feita após Gripen e o Sukhoi Su-30MKM serem eliminados do programa MRCA na sequência da avaliação técnica por pilotos de testes da RMAF.

Eles disseram que os três principais candidatos, ou seja, o Boeing F/A-18 Super Hornet, o Dassault Rafale e o Eurofighter Typhoon, iriam competir para a fase final do programa, onde as suas ofertas de transferência de pacotes tecnológicos e off-sets seriam avaliados antes do vencedor ser selecionado.

Rodzali negou que o Gripen e o Sukhoi não eram mais considerados para o programa MRCA enquanto “nós ainda estamos avaliando todas as aeronaves”.

Ele também negou que a RMAF tenha classificado as aeronaves na avaliação técnica.

Em vez disso, ele disse, os pontos fortes e fracos da aeronave foram documentados para avaliação.

Segundo ele, um fator importante para a escolha final seria o menor custo de apoio técnico. “Se o Super Hornet é visto como o favorito, é porque já temos os Hornets (oito unidades) em serviço.”

Perguntado quantos Gripens seriam alugados se a oferta for aceita, ele disse que “de preferência, serão 18 aviões, conforme especificado no MRCA”.

Ele disse que, apesar das restrições orçamentais, o programa MRCA vai em frente enquanto a força aérea tem planejado aposentar os 10 caças de superioridades aérea MiG-29N Fulcrum até 2015. “Podemos precisar de um orçamento especial, que abrange três planos para Malásia”, acrescentou.

Rodzali não quis confirmar a dotação orçamental para o programa MRCA, mas fontes disseram ao theSun que a força aérea só poderia adquirir 12 jatos se optar pela Super Hornet, Rafale ou Typhoon.

A Hungria e a República Checa operam os caças Gripen através de um contrato de 10 anos de locação e compra, por cerca de US$ 130 milhões por ano, que cobre manutenção e treinamento. Rodzali rejeitou qualquer sugestão de uma corrida de compra iminente.

“A razão pela qual nós estamos procurando novos caças é por causa da diferença de capacidade. Nós precisamos garantir que estejam de igual com outras nações.

“Outra razão é a tecnologia. A tecnologia está se movendo rapidamente. Nós não podemos nos dar ao luxo de ficar para trás.”

Fonte: theSun Daily

Nenhum comentário:

Postar um comentário