terça-feira, 25 de setembro de 2012

Marinha da China coloca em serviço o seu primeiro porta-aviões, agora chamado de Liaoning


O primeiro porta-aviões da China iniciou oficialmente o serviço nesta terça-feira e o Ministério da Defesa disse que a embarcação ajudará o país a projetar seu poderio marítimo e a defender o território chinês.

A entrega da embarcação ocorre no mesmo momento em que Pequim trava uma disputa com o Japão por ilhas no mar do Leste da China, e entre preocupações sobre os interesses militares americanos na Ásia.

O porta-aviões, chamado de Liaoning, foi originalmente comprado da Ucrânia e passou por profundas reformas no porto chinês de Dalian.

“A entrada deste porta-aviões nas fileiras militares irá elevar o nível de modernização das forças operacionais navais da China de forma geral”, disse o ministério em seu site.

O Liaoning irá ajudar “efetivamente a proteger a soberania nacional, a segurança e os interesses de desenvolvimento”, acrescentou o ministério.

Entretanto, especialistas militares acreditam que o porta-aviões, que recebe o nome de uma província do nordeste do país, terá um papel operacional limitado e será usado principalmente para treinamento.

“Uma vez que todas as grandes potências, e até mesmo alguns países de proporção pequena ou média, possuem um porta-aviões, é natural que a China tenha o seu próprio”, afirmou o contra-almirante Yang Yi, em um comentário escrito no jornal “China Daily”, nesta terça-feira.

“A China tem uma vasta área de mares e enormes direitos e interesses marítimos que precisa proteger, e os crescentes interesses internacionais da China exigem uma Marinha forte para fornecer garantias de segurança”, disse.

O Liaoning irá envolver-se principalmente em pesquisas científicas e treinamento, afirmou o contra-almirante, ao mesmo tempo em que ajudaria a China a afirmar seu poderio militar.

“A China é obstinada e irá absolutamente salvaguardar sua soberania e dignidade nacional”, disse Yang. “Nós estamos pela paz, mas não temos medo de qualquer ameaça ou intimidação”.

A disputa pelas ilhas, chamadas de Senkaku no Japão e Diaoyu na China, desgastou as relações entre as duas potências econômicas e provocou protestos contra o Japão por todo o país.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário