terça-feira, 11 de setembro de 2012

Romney quer adquirir mais caças F-22


O candidato presidencial norte americano do partido republicano, Mitt Romney, disse nesse sábado que pretende comprar mais caças F-22 Raptors, como parte de seu plano para reverter muitos dos cortes planejados na defesa feitos pela administração Obama.

Romney disse numa estação de televisão de Virginia Beach, na Virginia, que ele não incluiria os militares nos cortes de gastos que ele está propondo para reduzir o déficit dos EUA.

“Em vez de completarmos nove navios por ano, eu mudaria para até 15. Eu também adicionaria mais caças F-22 para a frota da Força Aérea. E eu gostaria de acrescentar cerca de 100.000 pessoas no serviço ativo para nossa equipe militar”, disse Romney na entrevista. “Eu acho que a idéia de diminuir nossos militares para tentar chegar mais perto do equilíbrio do nosso orçamento é o lugar errado para se olhar.”

Ele repetiu seu plano para aumentar a construção de navios de nove para 15 navios por ano e adicionar 100 mil soldados da ativa para força final dos militares. No entanto, esta é a primeira vez que ele mencionou quaisquer planos de compra de mais caças F-22.

A produção do caça F-22 Raptor foi famosamente terminada pelo ex-secretário de Defesa, Robert Gates, após a Força Aérea dos EUA ter insistido para que os EUA comprasse mais caças de quinta geração. Os líderes da Força Aérea dos EUA queriam comprar 243 caças F-22, mas Gates suspendeu a produção em 187. Originalmente, a Força Aérea dos EUA pretendia comprar mais de 750 Raptors.

O último caça F-22 Raptor saiu da linha de produção em 2011. O programa Raptor, desde então está sob avaliação depois de uma série de pilotos sofrerem sintomas de hipóxia e dificuldades para respirar durante o vôo. Oficiais da Força Aérea afirmam ter encontrado a causa, mas tem repetidamente mantido os caças F-22 no solo nos dois últimos anos, e continua impondo restrições de vôo.

Os líderes da Força Aérea insistem na fabricação de mais caças F-22 para adição à frota, porque advertem que uma frota de 187 Raptors seria insuficiente para derrotar um inimigo com uma força superior a linha aérea como a China. O ex-Chefe da Força Aérea dos EUA, general Norton Schwartz, e o General Michael “Buzz” Moseley argumentaram que os custos de re-abertura da linha de produção seria muito caro para construir uma frota se o Congresso mudar de idéia e queira mais caças F-22.

Se Romney vencer e seguir através de seu plano de compra de mais caças F-22, custaria pelo menos US$ 900 milhões para reabrir a linha de produção do F-22, de acordo com Loren Thompson, consultor da Lockheed Martin e de outras empresas de defesa.

Em 2010, o Japão discutiu a compra de 40 caças F-22 da Lockheed Martin, fabricante do F-22. Funcionários da Lockheed, então, disseram aos líderes japoneses que custaria US$ 900 milhões para reabrir a linha de produção. Thompson disse que o custo certamente aumentaria quando fosse considerar que dois anos se passaram e a linha de produção ainda estava “semi-ativa”.

Reabrir a linha de produção em Marietta, Georgia, levaria pelo menos dois anos, disse Thompson. A Lockheed precisaria de um tempo para reativar as redes de fornecedores e para retreinamento dos empregados.

“Em uma corrida, você poderia fazer isso em cerca de dois anos, assumindo que todos os outros trabalhadores não estivessem em outros projetos como o F-35″, disse Thompson.

Ele não espera que os problemas com o sistema de oxigênio F-22 possam frear os planos da administração Romney de comprar mais jatos F-22.

“Não seria um problema”, disse Thompson. “Se ainda há problemas com o sistema de oxigênio, eles poderiam simplesmente mudar para outro fornecedor, como a Cobham.”

Há também dúvidas sobre se mais compras de F-22 afetaria o cronograma de aquisição para o F-35. O Departamento de Defesa planeja comprar 2.443 caças F-35 Joint Strike Fighters, também da Lockheed.

Fonte: DoD Buzz

Nenhum comentário:

Postar um comentário