sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Brasil vai precisar de aproximadamente 1.100 novas aeronaves nos próximos 20 anos, incluindo o A380


De acordo com a mais recente Previsão de Mercado Global da Airbus (Global Market Forecast), o Brasil precisará de 1.060 novas aeronaves entre 2012 e 2031. São 700 de corredor único (narrowbody), 310 aeronaves de corredor duplo (widebody) e 50 de tamanho muito grande, e a previsão têm um valor estimado de mercado atual de US$ 160,7 bilhões dólares e espera-se que ajude a atender a demanda de companhias aéreas nacionais e estrangeiras, bem como acompanhar o rápido crescimento do mercado de viagens aéreas.

Com um PIB crescendo atualmente acima da média mundial, os indicadores socioeconômicos preveem que a economia do Brasil cresça mais do que o dobro nos próximos 20 anos. O mercado de tráfego aéreo doméstico do país dobrou desde 2006, ajudando a fazer do Brasil o quarto maior mercado mundial de tráfego de passageiros, seguindo os EUA, China e Japão.

O tráfego internacional cresceu 34 por cento desde 2009, com as operadoras estrangeiras em grande parte tendo uma quota maior do mercado. Como um dos principais destinos para o turismo internacional e uma das 10 maiores áreas metropolitanas, mais de um terço do tráfego de longo curso para a América Latina chega pelo Brasil, tornando São Paulo e Rio de Janeiro os principais gateways da região. Para atender a demanda crescente, aviões de grande porte, como o A380, estão prontos para atender aos requisitos aéreos internacionais de tráfego necessários para atender os voos de longo curso para o Brasil.

“Cada dia, o Brasil torna-se um candidato mais forte para o A380″, disse Rafael Alonso, vice-presidente executivo da Airbus para a América Latina e Caribe. “Capaz de carregar 525 passageiros em uma configuração de três classes, o A380 é a melhor solução para aliviar o congestionamento do Brasil o aumento do tráfego aéreo. Por causa de seus custos unitários imbatíveis e desempenho, o A380 deve ser a escolha certa de aeronave para as companhias aéreas que operam no Brasil, especialmente próximo da próxima Copa do Mundo e Jogos Olímpicos.”

De acordo com o Conselho Mundial de Viagens e Turismo, a indústria do turismo do Brasil é e continuará a ser um importante contribuinte para a economia, com mais de 5 por cento da contribuição do PIB do país e cerca de 3 por cento da contribuição de empregos.

De acordo com previsão da Airbus, nos próximos 20 anos na América Latina, as companhias aéreas vão precisar de mais de 2.100 novas aeronaves, incluindo 1.660 de corredor único, 420 de corredor duplo e 40 aviões de grande porte, estimados em cerca de US$ 242 mil milhões. Globalmente, em 2031 cerca de 28.200 aviões novos no valor de US$ 4,0 trilhões serão necessários para satisfazer a demanda do robusto mercado futuro.

Com mais de 700 aeronaves vendidas e uma carteira de quase 350, mais de 450 aeronaves Airbus operam em toda a América Latina e Caribe. Nos últimos 10 anos, a Airbus triplicou sua frota em serviço, durante a entrega de mais de 60 por cento de todos os aviões que operam na região.

Nenhum comentário:

Postar um comentário