quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Força Aérea dos EUA recebe o primeiro alvo aéreo Boeing QF-16


O primeiro sistema de alvo aéreo de treinamento Boeing QF-16 chegou nessa segunda-feira, dia 19 de novembro, na Base Aérea de Tyndall, Flórida, em preparação para testes de desenvolvimento da Força Aérea dos EUA. Para o 53º Grupo de Avaliação de Armas foi um marco importante para continuar a preparar o combatente para as ameaças futuras.

A Boeing Global Services & Support está convertendo num processo em grande escala seis caças F-16 que foram retirados de serviço para alvos aéreos não tripulados por controle remoto e/ou tripulados. O processo de conversão está sendo realizado na instalações da Boeing em Jacksonville. A Força Aérea dos EUA vai usar o QF-16 para testes de armas e treinamento.

“O trabalho feito antes de hoje e o trabalho de teste que está sendo oferecido permitirá que a Força Aérea dos EUA mude de um avião alvo de geração 3, da época da Guerra do Vietnã, para um alvo aéreo com desempenho que replica um caça de quarta geração e além”, disse o tenente-coronel Lance Wilkins, comandante do 82° Esquadrão de Alvos Aéreos.
O QF-16 é um alvo aéreo supersônico não tripulado e reutilizável em larga escala a partir de um caça F-16 Fighting Falcon. Neste momento, o 53° Grupo de Avaliação de Armas utiliza caças QF-4s, convertidos de jatos de combate F-4 Phantoms II fabricados a partir da década de 1960, para realizar as suas plenas missões de alvo aéreos. Os alvos permitem que a Força Aérea dos EUA e as nações aliadas tenham uma compreensão realista do que eles poderiam enfrentar no campo de batalha.

“No futuro iminente, o QF-16 eleva o testes e avaliação de armas ar-ar para o próximo nível”, disse o coronel Wilkins. “Isso fará com que nossa tripulação americana e aliada, os aviões e armas sejam mais confiáveis e mais letais. Ele servirá uma nova geração de combatentes.”

O QF-16 passará agora por cerca de seis meses de testes para validar as suas capacidades e garantir a compatibilidade com o Sistema de Controle de Drones da Área do Golfo, explicaram funcionários da Boeing. Em seguida, o avião vai ser implantado na Base Aérea de Holloman, Novo México, por cerca de mais quatro meses para os testes integrados. Quando todas as etapas de testes estiverem completas, a aeronave retornará permanentemente à Base Aérea de Tyndall, para completar um período de transição, a fim de atingir a capacidade operacional inicial na Flórida.

O primeiro QF-16 de produção está previsto para ser entregue em 2014.
Enquanto a Força Aérea dos EUA prepara seus caças de 5ª geração, como o F-22 Raptor e o F-35 Joint Strike Fighter para o campo de batalha futuro, o grupo atua como uma rede de segurança para garantir que a capacidade de armas esteja totalmente avaliada e compreendida antes de ser usada em combate, disse o coronel James Vogel, comandante do 53° Grupo de Avaliação Armas.

O coronel acrescentou que o dia só foi possível com o trabalho de muitas organizações, como de toda a equipe de Tyndall e empreiteiros.

O 53° Grupo de Avaliação de Armas, pertencente a 53ª Ala de Caça da Base Aérea de Eglin, na Flórida, fornece o pessoal e infra-estrutura para testar e avaliar as armas utilizadas pelas forças de combate aéreo dos Estados Unidos e de seus aliados. O grupo opera os únicos drones aéreos em escala no Departamento de Defesa dos EUA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário