domingo, 11 de novembro de 2012

Implantação dos NH90 italianos no Afeganistão foi prejudicada por problemas iniciais


O destacamento italiano de helicópteros NH90 no Afeganistão foi inicialmente prejudicado por problemas como rachaduras no pára-brisa e pela baixa disponibilidade de peças de reposição, conforme foi divulgado pelo Ministério de Defesa da Itália. A Unidade Tarefa Nemo atingiu a plena capacidade operacional com os helicópteros NHIndustries NH90 no Afeganistão no dia 25 de setembro, de acordo com o ministério.

Os cinco helicópteros NH90 TTHs da Aviação do Exército da Itália foram mobilizados para Herat a bordo de aeronaves C-17 da USAF, com a primeira aeronave chegando no dia 20 de agosto e a última no dia 22 de Setembro. Esta é a primeira vez que o NH90 foi implantado para o teatro de operações afegão.

Segundo o relatório oficial da primeira impressão da Unidade Tarefa Nemo, a baixa disponibilidade de peças de reposição está dificultando a implantação e ocasionou que em alguns casos fosse necessária a “canibalização” de peças de outros helicópteros.

A unidade também tem sofrido alguns problemas devido a rachaduras nos pára-brisas.

Este parece ser um problema recorrente com problemas similares nos NH90 com tripulações finlandesas durante o exercício com helicópteros Hot Blade 2012, que foi realizado pela Agência Europeia de Defesa em Portugal, em julho, como parte de seu Programa de Formação no helicóptero.

A NHIndustries teria desenvolvido uma solução melhorada, que deve contrariar os efeitos da expansão e contração do material do pára-brisas, devido às condições atmosféricas quentes encontradas no Afeganistão.

No entanto, em geral, as autoridades italianas parecem estar satisfeitas com o desempenho dos NH90 na sua configuração de “maior capacidade inicial operacional” (COI+).

O relatório revelou que, apesar de algumas falhas, os italianos NH90 TTH estão lidando melhor com as condições de calor e alta altitudes no teatro afegão do que o anteriormente previsto e oferece uma boa resistência ao pó e boa robustez.

A chegada do NH90 fortaleceu a Força Tarefa Fenice, o Batalhão de Aviação do Exército que apoia o contingente de tropas da Itália no Comando Regional-Oeste (RC-W).

A primeira missão operacional foi realizada no dia 28 de agosto.

A capacidades de baixa luminosidade no vôo noturno têm melhorado significativamente com a introdução da Configuração 3 do capacete com display montado no visor do piloto TopOwl da Thales.

Isto foi introduzido antes da implantação, já que a configuração anterior oferecia apenas capacidades de visão noturna restritas e foi qualificado como inferior aos tradicionais óculos de visão noturna.

O TopOwl Configuração 3 também será anviado às tripulações alemãs para a próxima implantação da ISAF com o NH90, que agora está previsto para começar em abril de 2013. Assim como os seus homólogos italianos, as tripulações alemãs também serão capazes de se beneficiar de imagens infravermelhas geradas pelo FLIR 111 Selex Galileo.

Os NH90s italianos estão equipados com duas metralhadoras Gatling Dillon Aero M134D de 7,62mm para fornecer fogo de supressão, se necessário, enquanto a proteção balística adicional foi montada para melhorar a capacidade de sobrevivência.

Motores com maior potência General Electric T700 também estão montados nos helicópteros, o que, de acordo com os relatórios, tem um desempenho melhor que o esperado.

Julgando a partir de fotografias publicadas, parece que nenhum separador externo de partículas de ar foi instalado. Isto indicaria que a equipe de teste e avaliação NH90 da escola de aviação do exército da Itália em Viterbo está convencida de que os próprio separadores de partículas nas entradas do motor fornecem uma proteção adequada.

Fonte: Shephard

Nenhum comentário:

Postar um comentário