quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Rússia e Índia iniciam trabalhos no projeto da aeronave de transporte MTA


O projeto indo-russo, para desenvolver em conjunto uma aeronave de transporte militares para ambas as nações teve início em Moscou nessa segunda-feira, dia 3 de dezembro, quando 30 engenheiros da Hindustan Aeronautics Ltd (HAL) começaram a trabalhar com engenheiros russos da United Aircraft Corporation (UAC) no programa avaliado em US$ 600 milhões.

A Índia e a Rússia também estão colaborando num projeto de US$ 6 bilhões para construir um caça avançado chamado FGFA (Fifth Generation Fighter Aircraft).

“Nossa equipe em Moscou nos informou nessa segunda-feira que eles já estejam trabalhando nas instalações de design especial que a Rússia criou”, confirma NC Agarwal, o Diretor Presidente da empresa de joint venture, chamada Multirole Transport Aircraft Ltd (MTA Ltd), que irá projetar a aeronave.

O MTA será capaz de transportar uma carga útil de 15-20 toneladas ou 80 paraquedistas, ou 60 macas e operar a partir de aeródromos tão difíceis como Leh, em Ladakh. Depois de completar o projeto e testes do MTA em 60 meses, durante os quais cinco protótipos também serão construídos, a Rússia e a Índia vão juntar as mãos para fabricar 205 aviões: 100 para a Força Aérea da Rússia, 45 para a Força Aérea Indiana e 60 para exportação.

Para a Força Aérea Indiana, o MTA seria um substituto muito necessário para o já extinto AN-12 e para a antiga frota de aeronaves de transporte AN-32. O MTA será uma escolha intermediária, sendo menor do que o AN-12, mas maior do que o AN-32. Ambas as aeronaves antigas são turboélices, e o MTA motores turbofan a jato.

A escolha de qual motor usar, como também os vários sistemas da aeronave, que serão comprados off-the-shelf, serão decididos em conjunto, com base na economia, bem como na adequação.

Nova Deli e Moscou assinaram um Acordo Inter-Governamental em novembro de 2007, após o qual a HAL, a UAC e a MTA Ltd assinaram um contrato geral, um documento abrangente que define o quadro geral do contrato. Então veio um contrato de US$ 35 milhões para a Fase de Projeto Preliminar, assinado em 12 de outubro de 2012, que previa uma equipe conjunta da HAL-UAC para trabalhar nos próximos 10 meses, em Moscou. A equipe irá formalizar para o MTA a configuração básica, desempenho, seus vários sistemas, os motores, e também identificar as alternativas. Isso será feito para garantir que os requisitos da Força Aérea da Rússia e da Força Aérea da Índia sejam plenamente cumpridos.

Quando o projeto preliminar estiver concluído entre setembro-outubro de 2103, um outro contrato será assinado para a Fase de Projeto Detalhado (DDP), em que ambos os lados vão levar 48 meses para concluir o projeto de produção de protótipo, e vôo de teste do MTA de acordo com ações de trabalho que foram definidas no contrato.

“A Índia vai realizar cerca de 40 por cento do trabalho de design, enquanto a Rússia fará o restante 60 por cento”, disse Agarwal. “Mas vai ser um empreendimento de colaboração, já que tudo tem que vir junto sem problemas, sem perda de tempo.”

Na produção, que está prevista para começar no final de 2017, a HAL e a UAC respectivamente vão fabricar um determinado conjunto de peças e módulos para todos os 205 aviões MTAs. No entanto, a montagem das aeronaves da Força Aérea Indiana será feita na HAL, em Kanpur, e a montagem dos MTAs para a Rússia a partir de uma agência de produção que Moscou vai nomear.

O aspecto crucial da certificação será um exercício de colaboração entre a agência de certificação militar indiana, o CEMILAC (Centro de Certificação de Aeronavegabilidade Militar) e seu homólogo russo. De acordo com os planos atuais, o MTA também vai atender as especificações de certificação da autoridade de aviação civil dos EUA, a FAA, através da chamada FAR-25 (Exigência de Aeronavegabilidade Federal – 25), bem como na EASA da Europa através do JAR-25 (Exigência de Aeronavegabilidade Comum – 25). Isso fará com que o MTA seja mais atraente para compradores internacionais.

Fonte: Business Standard

Nenhum comentário:

Postar um comentário