terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Norhtrop Grumman entrega antes do prazo mais dois Global Hawks para USAF


A Northrop Grumman Corporation completou a entrega antecipada de duas aeronaves não tripuladas Global Hawk para Força Aérea dos EUA. Os Global Hawks permitem aos comandantes militares receber imagens de alta resolução, realizar os levantamentos de vastas regiões geográficas e localizar alvos em terra. Ambas as aeronaves foram entregues antes do prazo previsto no final de novembro.

“A capacidade do Global Hawk para voar mais de 30 horas em altitudes elevadas enquanto coleta vários tipos de dados de inteligência torna ele extremamente valioso para os comandantes em campo que precisam de informações precisas em tempo real”, disse George Guerra, vice-presidente do programa de veículos aéreos não tripulados Global Hawk. “Essas novas aeronaves podem adicionar essa capacidade.”

Em 2012, três novos Global Hawks foram entregues à Força Aérea e cinco aviões já foram entregues com a instalação de sensores adicionais que lhes permite reunir vários tipos de dados de inteligência durante uma única missão.

Um total de 37 Global Hawks foram entregues à Força Aérea dos EUA.

O Global Hawk oferece uma variedade de carga de sensores de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR) que permite que os comandantes militares possam receber imagens e usar o radar para detectar alvos móveis ou fixos no chão. O sistema também fornece comunicações aéreas e capacidades de compartilhamento de informações para as unidades militares em ambientes agressivos.

Combinado com a capacidade do Global Hawk de voar por longos períodos, a autonomia da aeronave de 12.300 milhas náuticas, torna o sistema ideal para assumir várias missões diferentes de ISR.

O Global Hawk tem registrado mais de 80.000 horas de vôo e tem sido usado principalmente nos campos de batalha no Iraque, Afeganistão e Líbia. O sistema de aeronaves não tripuladas também apoiou os esforços de coleta de imagens e reconhecimento após os terremotos devastadores que assolaram o Haiti e o Japão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário