sexta-feira, 29 de março de 2013

Após prejuízos, GOL reduzirá ainda mais os custos


Com prejuízos que somam, nos últimos dois anos, R$ 2,2 bilhões, a GOL acendeu o sinal de alerta nas operações. A companhia terá em 2013 um dos anos mais difíceis desde a criação, em 2001. A estratégia para tentar reverter o quadro será uma redução ainda maior de custos, que se refletirá em revisão da malha aérea, diminuição da oferta de assentos e, em última instância, mais demissões.

Em 2012, a GOL registrou prejuízo de R$ 1,512 bilhão, o dobro do assinalado em 2011. A dívida total da companhia também cresceu, chegando a R$ 5,191 bilhões, 4% superior ao total de 2010. O cenário desfavorável na economia local, com baixo crescimento, e a consequente retração do mercado de aviação civil, atingiu diretamente a companhia.

"Foi, sim, um prejuízo maior que o esperado. Não é o fim do mundo, mas acendeu a luz amarela intensa", avalia o presidente da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Transporte Aéreo (SBTA), Erivelton Pires. De acordo com Pires, a empresa ainda precisará de "muitos meses" para buscar rentabilidade nas operações. "É um prejuízo muito difícil de recuperar."

Analistas de bancos internacionais também destacaram a piora do cenário de operações da empresa. Para o Bank of America Merrill Lynch, o prejuízo de R$ 447,1 milhões no quarto trimestre foi 114% maior que o estimado pela instituição. Já o JP Morgan manteve recomendação neutra para a GOL justificando que "ainda não temos indicação de que o cenário de demanda tenha melhorado".

Causas

Entre os fatores que concorreram para a piora da empresa, estão a depreciação do real frente ao dólar, preços mais altos de combustíveis e ainda maiores taxas em aeroportos. A desvalorização da moeda causou impacto direto no valor dos financiamentos e o leasing dos aviões, por exemplo. "A empresa, talvez, consiga respirar um pouco no final do ano, com a melhora do crescimento da economia. Isso poderá significar uma redução do prejuízo, mas ela vai continuar tendo prejuízo", avalia o professor Respício Espírito Santo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Segundo os analistas, a GOL ainda pena com os efeitos da compra da Webjet, em 2011. A aposta, naquele momento, seria a herança dos slots (horário para uso dos terminais de embarque) nos principais aeroportos do País. "Com o cenário ruim, os slots não fizeram valer o investimento. Foi um mau negócio", avalia Pires. "Isso está refletido nos prejuízos."

Nenhum comentário:

Postar um comentário