quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Lockheed diz que competição FX da Coreia do Sul ainda não terminou

A Lockheed Martin disse neste domingo que vai continuar trabalhando com o governo dos EUA sobre a grande concorrência de jatos de combate da Coreia do Sul, apesar de supostos relatos de que o F-35 teria sido eliminado da competição, devido ao seu alto custo, deixando apenas o Boeing F-15SE na corrida.

“A Lockheed Martin não recebeu uma notificação oficial da Coreia do Sul em relação aos resultados dos preços da licitação para o Programa FX”, disse a empresa num comunicado.

“O processo de seleção de fonte do FX tem várias fases e vamos continuar trabalhando em estreita colaboração com o governo dos EUA enquanto oferecemos o F-35 para a Coreia”, disse.

O Programa FX da Coréia do Sul destina-se a comprar 60 caças de última geração para substituir sua atual frota defasada.

A Administração do Programa de Aquisição de Defesa do país retomou a licitação para os jatos na semana passada, após a suspensão do processo em julho, porque todas as propostas estavam demasiadas elevadas.

Os Estados Unidos lidam com vendas militares estrangeiras numa base de governo a governo, com as empresas prestando as informações sobre o preço e outros detalhes.

A agência de notícias sul-coreana Yonhap informou anteriormente no domingo que o Boeing F-15 Silent Eagle parecia ser o último avião disponível na corrida para o projeto de US$ 7,2 bilhões para os caças.

A mesma reportagem afirma que o Eurofighter Typhoon Tranche 3 feito pela EADS teria sido eliminado devido a problemas burocráticos e o jato furtivo F-35 fabricado pela Lockheed tinha um preço muito alto.

A Boeing também afirmou que ainda estava à espera de receber o resultado da competição.

“Acreditamos que o nosso acessível F-15 tenha uma proposta que possa atender as exigências da República da Coréia. Aguardamos sua decisão e estamos prontos para cumprir nossos compromissos”, disse um porta-voz da Boeing.

Uma fonte da indústria disse que a decisão de Seul seria baseada em outros fatores além do custo, incluindo as capacidades dos novos caças.

“Não vai ser decidida apenas no custo”, disse a fonte, que não estava autorizada a falar publicamente. A fonte disse que o custo é responsável por 15 por cento da decisão.

Autoridades sul-coreanas devem examinar as capacidades das aeronaves propostas ao longo dos próximos 30 dias, disse a fonte.

Fonte: Reuters

Nenhum comentário:

Postar um comentário