quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Preço do F-35 vai cair

Novos estudos do Pentágono demonstram que a operação da frota de JSF ao longo de 55 anos deverá ter redução de 22%

A operação da frota de caças Lockheed Martin F-35 vai custar 857 bilhões ao longo de 55 anos, uma queda de 22% em relação ao custo estimado anteriormente, segundo informado pelo gerente do programa do JSF.

A nova estimativa reflete o desempenho da aeronave em 5000 horas de voo de teste sobre 7.000 horas, informou o brigadeiro Christopher Bogdan, gerente de programa do F-35 no Departamento de Defesa dos EUA, ao Comitê de Assuntos Militares do Senado, em relatório escrito feito no mês passado e que o público não teve acesso até o momento.

“A estimativa de custo anterior não leva em consideração estes novos dados”, disse Bogdan.

Os custos operacionais incluem despesas com peças de reposição para reparos e combustível. Oficialmente, a estimativa do Pentágono permanece 1,1 trilhão de dólares, de acordo com uma projeção feita dois anos atrás por um escritório independente de avaliação de custo do Pentágono.

O F-35 é o sistema de armas mais caro do Pentágono, com um preço estimado de 391,2 bilhões de dólares para uma frota de 2.443 aviões, até 68% acima da projeção feita em 2001, convertido em dólares correntes.

O aumento dos custos e problemas na construção da aeronave, mesmo durante o desenvolvimento, têm atraído críticas no Congresso. Este ano os legisladores, o Escritório de Contabilidade do Governo edo escritório de ensaios do Pentágono disseram que a aeronave está fazendo progressos em ensaios em voo e na estabilização da produção.

A estimativa de custo menor para operar os aviões estava entre tais indicações citadas por Bogdan em sua carta aos legisladores.

“Esforço significativo”

“Esforços significativos continuam sendo feitos para encontrar as eficiências de custos e reduzir esse número ainda mais” e “Espero que estas estimativas de custos continuem a cair ao longo dos próximos anos, conforme o programa amadurece”, disse Bogdan.

Jennifer Elzea, uma porta-voz do escritório de avaliação e custos que calculou o valor de 1,1 trilhão de dólares, disse em um e-mail que não poderia comentar a redução apontada por Bogdan.

O Pentágono evitou que o programa do F-35 fosse impactado pelos cortes promovidos no orçamento de defesa este ano, conhecido como “sequestration”, travando vários contratos antes que as reduções entrassem em vigor. Frank Kendall, chefe de aquisição de armamentos do Departamento de Defesa, disse que iria fazer o seu melhor para proteger o avião dos efeitos do corte de US$ 52 bilhões, estabelecido para o ano fiscal de 2014.

De acordo com novos cortes, informou Bogdan em suas respostas para os legisladores, “há um risco considerável de não se entregar” a versão totalmente capaz de software que a aeronave precisa para demonstrar o seu potencial bélico.

Cortes no Orçamento

O corte no orçamento também significa “uma redução do número de aviões” que serão comprados, disse. O Pentágono quer comprar 29 deles no próximo ano.

Bogdan estimou que os custos básicos de produção, incluindo motores, para as três variantes da aeronave vai cair até US $ 35 milhões por avião até o ano fiscal 2018, quando a produção em larga escala está agendada para começar.

Se mantivermos as tendências atuais de aumento da produção, Bogdan disse, a versão do Corpo de Fuzileiros Navais vai cair para 110 milhões dólares por aeronave, sendo que no âmbito do quinto contrato de produção assinado em dezembro ele era de US$ 153 milhões.

A versão da Marinha vai cair para US $ 100 milhões contra US $ 140 milhões e a da Força Aérea para $ 85 milhões, contra US $ 120 milhões, disse ele.

Bogdan também reconheceu que o Pentágono raramente diz publicamente – que o F-35 está sendo desenvolvido em parte em resposta à modernização militar da China e sua ênfase em manter os navios e aviões dos EUA longe de suas águas territoriais caso uma guerra com Taiwan aconteça. Isto é conhecido no jargão do Pentágono como uma estratégia de negação do uso do mar.

Perguntado pelos legisladores que ameaça poderia orientar a aquisição do F-35 pelos Estados Unidos, Bogdan citou “ameaças emergentes” que “estão atualmente a ser desdobradas na China e em outras nações.”

FONTE: Businessweek

Nenhum comentário:

Postar um comentário