quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Gripens não estão parados na África do Sul

O General da força aérea da África do Sul esclareceu que os 26 Gripens não estão em armazenamento de longo prazo.

Em vez de armazenar 12 aeronaves, a Força Aérea decidiu voar todos os 26 jatos fazendo um rodízio entre as aeronaves.

O combustível custa apenas R11 (onze rands, cerca de US$ 1,08) o litro, mas custa cerca de R135 400 (US$ 13,000,00) por hora para manter um jato de combate Gripen no ar. O Hawk de treinamento é um pouco mais barato, cerca de R82 900 (US$ 8,000,00)por hora de voo.

A informação foi divulgada pelo general John Bayne na Comissão de Aquisições de Armas. Bayne é o diretor dos sistemas de combate para a SAAF.

Bayne disse que o “dry costs” (custo seco, sem combustível) para um Gripen foram de R104 600 (US$ 10,000,00). A SAAF comprou 26 caças Gripen e 24 treinadores Hawk em 1999, que a Comissão está investigando.

Bayne tocou no assunto controverso se os caças estavam em armazenamento de longo prazo. No início deste ano, o ministro da Defesa, Nosiviwe Mapisa-Nqakula, causou alguma confusão, dizendo ao Parlamento que 12 dos Gripens estavam em armazenamento de longo prazo, porque não havia financiamento para mantê-los em atividade, em seguida, no mês passado, ela disse ao Parlamento que nenhum dos Gripens ou Hawks foram estocados.

Bayne disse que a SAAF descobriu que era melhor – e mais barato – não colocar as aeronaves em armazenamento de longo prazo, mesmo que os orçamentos sejam mínimos neste ano. “Fomos avisados de que este (ano) seria um exercício fiscal particularmente difícil”.

Bayne relatou que a SAAF já tinha discutido a questão de armazenamento e manutenção com a Saab, no início deste ano, depois de inicialmente armazenar 12 Gripens, e, em seguida, estabelecer um processo menos dispendioso. Isso reduziu as horas de manutenção necessárias para o armazenamento e fez com que a aeronave estivesse disponível para o voo.

A SAAF optou por um programa de manutenção preventiva e rotação das aeronaves.

FONTE: IOL News

Nenhum comentário:

Postar um comentário