quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Tecnologia única dos “aviadores” russos


 Cientistas da Bashkíria (Rússia) criaram uma tecnologia única de soldagem sem análogos no mundo. A nova tecnologia permite soldar com extrema solidez ligas de alumínio.

A resistência das amostras experimentais obtidas pelos especialistas é superior a 500 megapascais. Ainda ninguém conseguiu semelhante efeito no mundo, afirmam os autores dessa criação única.

A soldagem por fricção linear, como é chamado este método, era apenas utilizado para construir peças de ligas de titânio. Especialistas russos da Universidade Publica de Tecnologia de Aviação de Ufa (UPTAU) conseguiram, pela primeira vez, empregar essa tecnologia para soldar ligas de alumínio, declarou à Voz da Rússia Alexander Medvedev, docente da cátedra de equipamentos e de tecnologias de soldagem da UPTAU:

"As ligas de alumínio não são muito fáceis de soldar e a resistência das soldagens no alumínio não é grande. Nós conseguimos soldá-las de forma a que a resistência não fica aquém da resistência do metal que as junta. Na prática mundial não existe soldagens com semelhante resistência. Mas isso é o que se exige das peças soldadas no campo da aviação. Conseguimos junções soldadas tão resistentes como peças monolíticas."
A vantagem da tecnologia consiste em que ela não exige o emprego de elétrodos, material de enchimento, gases de defesa e outros atributos que aumentam o custo de fabrico das peças. A principal área de emprego do método é a construção de aviões, nomeadamente, o fabrico de motores. A resistência das peças do motor está no resultado obtido e, por conseguinte, como será o avião, pois o motor é o coração de qualquer máquina. Até um pequeno aumento da resistência das várias peças tem como efeito o melhoramento das caraterísticas do motor, assinala o especialista:

"A percentagem de aumento da solidez das peças soldadas é bastante alta: 10%. Nas obras nacionais e internacionais sobre soldadura, não se encontra ligas D16 mais resistentes do que 450 megapascais, mas a nossa resistência é superior a 500 megapascais. Se aumentou a resistência, pode-se fazer peças mais leves e menores. Por conseguinte, o motor poderá consumir menos combustível e o avião ter maior poder de carga."

Segundo o cálculo dos cientistas, o peço do motor de avião, se se empregar a nova tecnologia de soldagem, poderá ser reduzido em 30%. Além de aumentar o período de exploração de todo o aparelho.

Compressores fabricados com inovações dos cientistas da Bashkíria, uma das peças mais importantes do motor de avião a jato, começarão a ser produzidos em 2015. Depois do processo de certificação, eles serão fabricados em série.

Fonte: Voz da Russia

Nenhum comentário:

Postar um comentário