segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Tejas Mark I será um dos caças mais acessíveis do mundo em sua categoria

 O Tejas Mark I será um dos caças mais acessíveis do mundo em sua categoria. Fontes do Ministério da Defesa (MoD) disseram ao Business Standard que Hindustan Aeronautics Ltd (HAL) citou um preço de Rs 162 crore por aeronave durante os primeiros 20 caças Tejas produzidos em Bangalore. Isso se traduz em um preço em dólar de cerca de 26 milhões dólares por aeronave.

Esta é uma fração do custo do Mirage 2000, que foi comprado relativamente barato na década de 1980, mas atualmente está sendo atualizado por Rs 280 crore (45 milhões de dólares) por jato. Em 19 de dezembro de 2011, o ministro da Defesa, AK Antony, tinha dito ao Parlamento que a Thales teria 1,4 bilhão de euros (Rs 11.830 crore hoje) para atualizar a frota da Força Aérea Indiana (IAF) de 49 caças Mirage 2000, enquanto HAL iria ficar Rs 2.020 crore, ou seja, um total de Rs 13.850 crore. Como a atualização só será concluída 2021, esse custo poderia subir ainda mais se o valor da rupia cair.

Antony também disse ao Parlamento que a frota de 69 MiG-29 da IAF estava sendo atualizada para 964.000 mil dólares, que é de cerca de Rs 87 crore por avião, acima do custo de aquisição.

O Sukhoi-30MKI, mais pesado e mais caro, que HAL constrói em Nashik, atualmente custa o IAF mais de Rs 400 crore (65 milhões de dólares) cada. O Rafale, vencedor do programa MMRCA, que está atualmente sendo negociado com a Dassault, poderia custar entre R 750 crore e Rs 850 crore (120-140 milhões de dólares) cada.

O JF-17 Thunder, novo caça leve da Força Aérea do Paquistão que foi “co-desenvolvido” com a China, pode ser ligeiramente mais barato (algo como US $ 23-24 milhões) por aeronave. No entanto, o Tejas é significativamente mais avançado do que o JF -17 , que está sendo construído a partir de materiais compostos, incorporando um sistema fly-by-wire avançado, e equipado com aviônicos mais avançados.

O Ministério da Defesa está em negociação com a HAL sobre o valor de Rs 162 crore por cada Tejas, lembrando que a HAL estimou o preço dele em 2006, em 116,49 Rs crore. A HAL argumenta que declínio da rúpia (cerca de 45% do Tejas vem do exterior) e a inflação ao longo dos últimos 8 anos justifica um aumento de 40% no valor de cada avião.

Durante uma visita recente à linha de montagem do Tejas, o Business Standard foi informado sobre as iniciativas da HAL para reduzir o custo do Tejas, tornando-o mais atraente para a IAF. O primeiro passo da HAL tem sido a meta de economia de escala através do desenvolvimento de sua linha de montagem e cadeia de fornecedores para 200 caças, sendo que o IAF se comprometeu a comprar apenas 40 caças Tejas Mark I até agora.
No planejamento ambicioso, a HAL tem apoio do Ministério da Defesa. Antony anunciou no mês passado em Bangalore, quando o Tejas estava sendo introduzido na IAF, que cerca de 200 caças seriam eventualmente construídos em configurações Mark I e Mark II.

Pelos cálculos da HAL, estes incluem os 20 caças Tejas Mark I na configuração atual, e mais 20 quando a aeronave receber a “Final Operational Clearance” no final de 2014 (a IAF já se comprometeu a comprar esses dois esquadrões). Em seguida, a HAL planeja construir 84 Tejas Mark II ( quatro esquadrões) . A Marinha já encomendou oito Tejas da versão naval, e está planejando encomendar 11 Tejas de treinamento em breve. Quando o desenvolvimento estiver completo, cerca de 46 Tejas serão encomendados para uso em dois porta-aviões de construção local que substituirão p INS Vikrant .

A HAL também está desenvolvendo uma cadeia de suprimentos de baixo custo, estabelecendo acordos comerciais de longo prazo (LTBA) de 3 a 5 anos com seus fornecedores. Ao invés de fazer pedidos parciais , a HAL asseguraria aos seus fornecedores encomendas de produção para até 40-50 conjuntos de aeronaves. Após estabelecer confiança com eles e reduzir o preço, a HAL negociará requisitos anuais com eles em conjunto com a sua taxa de produção, garantindo o fornecimento de matéria-prima e peças para manter a linha de produção do Tejas . Com o crescimento das encomendas da IAF/Marinha, estes fornecedores terão a garantia de novos negócios desde que o seu desempenho e os preços continuam satisfatórios.

Componentes de longo prazo, que exigem tempo maior para serem construídos, por vezes, têm uma alta taxa de rejeição, e foram identificados e sanados. A linha de Tejas terá uma oficina de usinagem de alta qualidade com máquinas CNC de cinco eixos no estado da arte. Para partes críticas, como o revestimento de composto de carbono da asa, essas máquinas substituirão as de perfuração manual de 8.000 buracos, usando um programa de perfuração computadorizado que irá reduzir o tempo de ciclo, os erros e os custos de produção.

“Com medidas como essas, vamos melhorar” a qualidade de construção e eliminar o retrabalho, a rejeição e os atrasos. Reduzir o número de homens/hora na produção em série do Tejas, quando comparado à construção de protótipos, reduzirá automaticamente o custo de produção do Tejas”, diz RK Tyagi , presidente da HAL.

FONTE: Business Standard

Nenhum comentário:

Postar um comentário