sábado, 10 de maio de 2014

Drone quase se choca com avião de passageiros nos EUA

 Um avião comercial do grupo American Airlines esteve prestes a se chocar em pleno voo com um "drone" (avião não tripulado) no último mês de março na Flórida, revelou um responsável da Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos.

Em uma conferência oferecida ontem em San Francisco e que vazou na imprensa local nesta sexta-feira, o diretor do Escritório de Integração de Sistemas de Aviação Não Tripulados, Jim Williams, contou que, no dia 22 de março, um avião que voava a 701 metros de altura perto do aeroporto regional de Tallahassee (Flórida) esteve a ponto de se chocar com um "drone".


"O piloto disse que, ao tê-lo visto passar tão perto do avião, estava convencido que o aparelho havia colidido", explicou Williams. No entanto, ao aterrissar foi realizada a correspondente inspeção e se comprovou que a aeronave não tinha sofrido nenhum dano.

O "drone", que "era pequeno e estava coberto por uma camada de pintura de camuflagem", se encontrava a uma altura de 701 metros, muito acima do permitido para os usos recreativos destas aeronaves.

A FAA não foi capaz, por enquanto, de identificar o "drone" nem a pessoa que o estava manejando.

O incidente, que tinha permanecido oculto ao público até que Williams o revelou na quinta-feira em uma conferência na qual se abordava o futuro e a regulação que deve aplicar-se aos aviões não tripulados, põe em evidência os riscos do grande aumento no número de "drones" que planam no espaço aéreo americano.

Por sua parte, o grupo American Airlines (o avião afetado era operado pela US Airways, pertencente ao grupo), afirmou que está "consciente" do incidente e que está "investigando" o caso.

"O risco que um pequeno "drone" se introduza nos motores de um avião é muito real e os resultados poderiam ser catastróficos", alertou Williams.

A FAA trabalha há tempo em um esquema regulador para os aviões não tripulados, embora por enquanto mantenha a proibição de seu uso comercial, o que lhe valeu a rejeição de várias empresas como por exemplo a Amazon, que já anunciou publicamente estar trabalhando em um sistema de distribuição de produtos por meio destes aparatos.

Fonte: Exame

Nenhum comentário:

Postar um comentário