terça-feira, 16 de setembro de 2014

Rafale franceses fazem primeira missão de reconhecimento sobre o Iraque

   Nesta terça-feira, 16 de setembro, o Ministério da Defesa da França divulgou nota a respeito da primeira missão de reconhecimento de caças Rafale, da Força Aérea, realizada sobre o Iraque. A missão ocorreu na segunda-feira, dia 15, com a decolagem de duas aeronaves a partir da Base Aérea 104 de Al Dhafra, localizada nos Emirados Árabes Unidos (EAU).

Os dois jatos estavam dotados do casulo (pod) de reconhecimento RECO NG, que permite captar imagens tanto em altas quanto em baixas altitudes, além de vídeo. O controle tático da missão esteve a cargo do contra-almirante Baussant, comandante da Zona Oceano Índico (ALINDIEN), em estreita coordenação com autoridades iraquianas e aliados presentes na região, segundo a nota do ministério.
A missão foi precedida por outras movimentações importantes: no dia 13 de setembro, a capacidade de inteligência foi reforçada com o transporte de materiais e pessoal (cerca de 40 integrantes) para os Emirados a partir da Base Aérea 123 de Orléans-Bricy, missão em que se utilizou um avião A400M. Já no dia 14, uma aeronave de reabastecimento em voo C135, proveniente da Base Aérea 125 de Istres, pousou em Al Dhafra.
O ministro da Defesa da França, Jean-Yves Le Drian, esteve presente na base de Al Dhafra para falar aos pilotos de Rafale da missão de reconhecimento logo antes do seu início. O ministro dirigiu-se aos Emirados após visita ao Iraque acompanhando o presidente da República Francesa.

Ainda sobre este primeiro voo de reconhecimento realizado pelos dois caças Rafale sobre o Iraque, espera-se que outros se sigam, com o objetivo de coletar dados de inteligência sobre o grupo terrorista “Daesh” e reforçar a capacidade francesa de avaliação autônoma da situação.
A França mantém uma presença permanente nos Emirados Árabes Unidos, tanto em nível de estado-maior quanto operativo, incluindo forças na Base Naval de Abu Dhabi e na Base Aérea 104 de Al Dhafra, dentro de um escopo de relações bilaterais de defesa com os EAU e outros parceiros regionais. Assim, pode-se apoiar meios militares na região do Golfo Pérsico e do norte do Oceano Índico, tanto em operações militares em ambiente urbano quanto desértico.

Fonte: Ministério da Defesa da França

Nenhum comentário:

Postar um comentário