sábado, 22 de novembro de 2014

Novidades russas e chinesas no Airshow China 2014

   O salão aeronáutico Airshow China 2014, em Zhuhai, foi maior e mais representativo que todos os anteriores salões aeronáuticos realizados na China. Os novos projetos chineses e russos provocaram o maior interesse dos especialistas.

Este show aeronáutico se destacou pelos primeiros voos de demonstração de dois protótipos da indústria aeronáutica chinesa. A China mostrou no ar o avião de transporte militar pesado Y-20 e o caça de quinta geração J-31. Ambos os projetos ainda estão longe de seu fabrico em série e estão em fase de testes de voo. Contudo, a disponibilidade da corporação da indústria aeronáutica da China AVIC em mostrá-los ao público revela que ambos os projetos se estão desenvolvendo, ao que tudo indica, sem grandes falhas.
Quanto à presença russa, tal como na vez anterior, neste show participou com grande sucesso a esquadrilha acrobática Russkie Vityazi com caças Su-27. Além disso, em Zhuhai realizou seu primeiro voo público o novo caça russo Su-35S, o qual começará provavelmente a equipar a força aérea chinesa já nos próximos anos.

Normalmente os contratos assinados entre a Rússia e a China na área dos fornecimentos de armamento são conhecidos muito mais tarde. Não podemos excluir a possibilidade de alguns acordos substanciais entre os dois países já terem sido concluídos ou que sejam concluídos até ao final do ano.

A Rússia, além do caça Su-35S, cujos voos de teste atraíram muitas atenções, esteve representada neste salão por pavilhões de uma série de empresas, incluindo a Corporação Unida de Construção Aeronáutica (OAK), o consórcio Almaz-Antei, a Corporação de Mísseis Táticos e uma série de outras. Nas telas multimídia eram exibidas imagens em que mísseis russos afundavam contratorpedeiro s norte-americanos da classe Arleigh Burke, desenhados ao detalhe, ou abatiam caças F-18. Imagens vívidas semelhantes eram exibidas nos pavilhões dos fabricantes de mísseis chineses.
Mas, apesar disso, no salão esteve presente pela primeira vez um avião militar dos EUA: o avião militar de transporte gigante C-17 Globemaster III. Apesar de a cooperação técnica militar dos EUA e da Europa com a China ser impossível, as exposições dos fabricantes ocidentais de aeronáutica civil eram enormes: para eles a China continua sendo um dos mercados principais de todo o mundo.

O afluxo de peritos militares estrangeiros a Zhuhai também tem uma explicação, esta é a plataforma que melhor demonstra as crescentes capacidades da indústria de defesa chinesa. Durante o funcionamento do salão aeronáutico, a China anunciou o projeto, até então desconhecido, do avião de transporte quadrimotor a turboélice Y-30. Esta deve ter sido, talvez, uma das novidades mais importantes do Airshow China 2014.

O desenvolvimento pela China do Y-30, com suas cerca de 20 toneladas de carga útil, pode originar o aparecimento de um produto chinês para exportação bastante atrativo. O Y-30 será um passo em frente, quando comparado com os aviões de transporte médios Y-8C e Y-9 que a China possui atualmente. Ele não apenas terá um maior alcance e motores mais modernos e econômicos. O novo avião terá uma cabine de carga espaçosa e fácil de usar, o que permitirá transportar uma maior variedade de material. Ele terá igualmente características melhoradas de pouso e decolagem.

Assim, se os aviões pesados das classes Il-76 ou Y-20 possam representar interesse apenas para alguns países grandes e relativamente ricos, já o Y-30 poderá ser amplamente procurado em países da Ásia, de África e da América Latina.

Vassili Kashin

Nenhum comentário:

Postar um comentário