quarta-feira, 30 de março de 2016

GM/FISHER XP-75 EAGLE: A águia que não voou!

Fisher XP-75 Eagle (Foto militaryfactory.com).

Muitas pessoas não sabem, mas algumas fabricantes automobilísticas já se arriscaram no mundo da aviação, seja ela fabricando aviões como a FIAT e a FORD, ou somente motores como a BMW. A Rolls Royce ainda fabrica motores aeronáuticos e as japonesas Mitsubishi e Honda fabricam aviões além de carros. Uma fabricante de carros que foi muito influente na 2ª GM, mas que é pouco citada é a General Motors, isso mesmo, a GM ajudou a Grumman na fabricação de algumas aeronaves para atender a demanda para a guerra. Mas o que poucos sabem é que a GM chegou a projetar seu próprio avião, e é dele que iremos falar nesta matéria!

Em outubro de 1942, o contrato para dois protótipos, designada "XP-75", foi assinado com a Fisher Body, uma divisão da GM. O conceito de design foi usar os painéis de asa exterior do North American P-51 Mustang, o conjunto de cauda do Douglas A-24 (SBD), trem de pouso do Vought F4U e um layout geral igual ao Bell P -39 Airacobra, com o motor localizado no meio da fuselagem (atras do cockpit), com a hélice acionada através de cardans (barras de prolongamento). Numa fase inicial do projeto, no entanto, painéis exteriores de asa do Curtiss P-40 Warhawk foram substituídos por painéis P-51.
Fisher XP-75 Eagle (Foto militaryfactory.com).

A aeronave foi desenvolvida em resposta à exigência da Força Aérea do Exército dos Estados Unidos para um avião de caça que possuísse uma taxa extremamente alta de subida, com o motor mais potente, com refrigeração líquida então disponíveis, o Allison V-3420. Em meados de 1943, a necessidade de caças de escolta de longo alcance tornou-se mais urgente do que interceptores com altas taxas de subida, então a ordem foi de 6 XP-75 modificados para o papel de longo alcance. Neste momento, uma encomenda de 2.500 aeronaves de produção também foi abandonada, mas com a condição de que se o primeiro P-75A não fosse satisfatória, a ordem completa seria cancelada.

Na época, a General Motors estava ocupada em vários projetos para o esforço de guerra, incluindo a produção em massa de vários tipos diferentes de aeronaves, entre elas a TBF Avenger. Algumas fontes afirmam que o P-75 foi o resultado de um esquema para que a General Motors fosse forçada a construir o Boeing B-29 Superfortress. O projeto do P-75 era "de alta prioridade" para ajudar a GM a aliviar a pressão adicional da produção do Superfortress. Com o nome, "P-75 Eagle", designação escolhida em referencia ao 75 francês, arma na Primeira Guerra Mundial considerada um símbolo de derrotar os alemães. O "Eagle" foi dado extensa cobertura da mídia antes de seu primeiro vôo, sendo anunciado como um "plano maravilha".
Fisher XP-75 Eagle (Foto 1000aircraftphotos.com).

Equipada com um motor de 24 cilindros em W (dois motores V-3420-19) com aproximadamente 2.600 hp, tracionada com hélices contra-rotativas, o XP-75 voou pela primeira vez em 17 de novembro de 1943. O segundo XP-75 voou logo em seguida, e todos os XP-75 de longo alcance entraram no programa de teste em meados de 1944. O programa de teste trouxe inúmeros problemas de adaptação, incluindo erro de cálculo do centro de massa da aeronave, falha do motor para produzir seu poder esperado, refrigeração inadequada do motor, problemas de atuação dos ailerons em alta velocidade, e características de “rolamentos” pobres. Os XP-75 de longo alcance foram redesenhados incluindo uma montagem modificada cauda, novo canopy "bolha", e um motor V-3420-23 que corrigiu a maioria das deficiências no momento em que os primeiros P-75A Eagles entraram no teste de voo em setembro 1944.

A esta altura, a Força Aérea do Exército decidiu limitar o número de tipos de aviões de combate em produção e então os novos modelos que não estavam disponíveis antes do fim da guerra não entrariam em produção de larga escala. Como o bimotor Lockheed P-38 Lightning e o North American P-51 Mustang demonstraram excelentes capacidades de longo alcance, o ciclo de produção do P-75A Águia foi substancialmente terminado em 6 de Outubro de 1944. Foi decidido utilizar as seis aeronaves de produção para completar o trabalho experimental e desenvolvimento do motor V-3420. Como resultado desses eventos, os P-75A não completaram os ensaios formais de desempenho devido à rescisão do contrato de produção. Em última análise, apenas oito XP-75 e seis P-75A foram construídos.
Motor e barras de prolongamento do XP-75 Eagle (Foto aviation-history.com).
Características gerais:


Tripulação: Um
Comprimento: 40 ft 5 in (12,32 m)
Wingspan: 49 pés 4 pol (15,04 m)
Altura: 15 pés em 6 (4,72 m)
Motorização: 1 Allison V-3420-23 24-cilindro de duplo-V com refrigeração líquida, 2.885 hp (2.150 kW)
atuação.
Velocidade máxima: 433 mph (697 km / h) a 20.000 (6.100 m)
Alcance: 2.050 milhas (3,300 km)
Teto de serviço: 36.400 pés (11.100 m)
Taxa de subida: 4.200 pés / min (21,3 m / s)


Armamento:


6x calibre .50 (12,7 mm) metralhadoras montadas nas asas
4x calibre .50 (12,7 mm) metralhadoras montadas na fuselagem
2x 500 lb (227 kg) bombas









Rene Maciel / Rock Aircraft Editor e Piloto Privado.

Um comentário: