sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Droop-Nose: “Hey, abaixa esse nariz aí meu camarada!”

Decolagem do Concorde.

           Você já deve ter visto fotos ou videos do CONCORDE decolando ou pousando e se perguntou: “Por que este nariz esta torto para baixo?”. Pois é, esse é um tipo de configuração pouco usado na aviação e recebe o nome de Droop-Nose, ou “Nariz inclinado”.
Tupolev Tu-144.

           A configuração Droop-Nose é uma característica distintiva de alguns aviões supersônicos e geralmente com asas em formato delta, mais notavelmente no Concorde e no Tupolev Tu-144. Quando estas aeronaves estavam em serviço, o piloto abaixava o cone do nariz para melhorar a visibilidade da pista e das vias de circulação. Quando em voo, o nariz era levantado. O Concorde também tinha um visor móvel que deslizava para dentro e para fora do nariz. Já o visor do Tu-144 era parte do nariz e não se retraia.
Fairey FD2 e BAC 221.

           O avião experimental Fairey FD2 também dispunha desse sistema, porém (somente nessa aeronave) o cockpit acompanhava a inclinação no nariz, mas quando foi convertido no BAC 221 para testar a forma da asa do Concorde, o sistema foi descartado.
Nariz do Concorde.

           O sistema de inclinação do nariz do Concorde foi projetado e manufaturado pela Marshall Aerospace em Cambridge, Reino Unido. O nariz pode ser inclinado em duas posições - 5 graus (para o táxi e para a decolagem) e a posição totalmente inclinada de 12,5 graus (usada durante o pouso para que os Pilotos pudessem ver a pista que se aproximava). O nariz e a viseira eram operados hidraulicamente, por uma alavanca pequena no lado do copiloto no cockpit. Havia também um sistema de inclinação secundário caso o sistema principal falhasse (operado a partir do console central do cockpit) e, como último recurso, se ambos os sistemas hidráulicos falhassem, uma alavanca podia ser puxada no cockpit e liberava as travas mecânicas, permitindo que o nariz caísse com a ajuda da gravidade para a posição de 12,5 graus.
Sukhoi T-4 “Sotka”.

           Outro avião que utilizou esse sistema de inclinação do Nariz foi o projeto soviético Sukhoi T-4 “Sotka”, porém quando o nariz era retraído a visibilidade frontal era totalmente nula, o voo prosseguia totalmente por instrumentos.
Asa em formato delta.

            Além de supersônicos (e possuírem um nariz longo), todos os aviões citados nessa matéria possuíam asas em formato delta. Este é o principal motivo do nariz precisar ser inclinado, pois em uma aproximação para pouso ou em uma decolagem, o ângulo de ataque é muito grande para que o avião possa voar numa velocidade baixa (se é que podemos chamar de baixa as velocidades de decolagem e pouso dessas máquinas)! Então com um ângulo de ataque grande e caso não existisse o Droop-Nose a visibilidade frontal seria muito prejudicada com o nariz longo da aeronave.

(Fotos: wikimedia.org, testpilot.ru, i.kinja-img.com, bbci.co.uk).









Rene Maciel / Rock Aircraft
Editor e Piloto Privado.


4 comentários:

  1. Excelente matéria!

    Vocês estão de parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, sempre seguimos seus artigos vocês são feras, Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigado, Estamos sempre melhorando o site e consequentemente nossas matérias!

      Excluir