sábado, 15 de julho de 2017

SAAB 90 “Scandia”: O DC-3 nórdico!


Em 1944, a fabricante SAAB percebeu que precisava diversificar seus produtos para sobreviver, pois tornava-se cada vez mais claro que a Guerra na Europa (2ª GM) estava próxima do fim. O conselho da empresa decidiu, portanto, pôr em ação um plano para fabricar um avião de passageiros bimotor, de curto a médio porte, como sucessor do Douglas DC-3. O nome do novo avião seria SAAB 90 “SCANDIA”.

  O projeto do “Scandia” foi iniciado em 1944 e deveria seguir alguns requisitos como segurança, ter 2 motores, uma vida operacional longa além de econômica. A asa foi moldada, usando perfis NACA, para fornecer boas características de estol. O design da asa baixa foi escolhido por fornecer: menos peso estrutural, melhor segurança em um pouso de emergência e a possibilidade de uma aba contínua. A asa foi construída em três peças. A seção central com montagens do motor e as seções esquerda e direita que foram parafusadas na seção central, imediatamente a bordo das naceles do motor.

  O diâmetro da fuselagem foi escolhido para permitir quatro lugares por fileira. Esta configuração deu uma capacidade de 32 passageiros, mas foi também oferecida uma configuração com assentos mais amplos e confortáveis, três assentos por fileira, com um total de 24 passageiros. O protótipo (90.001) foi equipado com motores Pratt & Whitney Twin Wasp R-2000 de 1.450hp (1.080 kW). Toda a aeronave era construída em metal, exceto os lemes que eram estruturas metálicas cobertas de tela aeronáutica.

  O design dos 90 Scandia era bastante semelhante ao DC-3. A única diferença visível distinta era que os 90 tinham trem de triciclo escamoteável enquanto o DC-3 tinha trem de pouso convencional retrátil. Os SAAB 90 tiveram que competir com muitos DC-3 excedentes de guerra disponíveis no mercado ao mesmo tempo, tornando as vendas difíceis.

  O protótipo (SE-BCA) fez seu primeiro voo em 16 de novembro de 1946 com Claes Smith no comando. O primeiro voo durou 20 minutos. O avião tinha excepcionalmente características de voo lento, com controle total entre 68-72mph. Os estóis foram lentos e precedidos por vibrações. O avião apresentou boa manobrabilidade com um motor desligado, o que na época  não era normal no caso de aeronaves bimotoras. Infelizmente, a harmonia do leme não foi satisfatória, com altas forças de controle em algumas situações. A instalação do motor também precisava de redesenho.

  O protótipo voou um total de 154 horas antes do inverno de 1947/48 quando estacionou no hangar para modificações. Os motores foram elevados para uma folga aumentada entre as pás da hélice e o solo. A cabine, que anteriormente só continha equipamento de teste, foi completada. No dia 7 de fevereiro de 1948, o protótipo decolou novamente e iniciou a segunda fase de teste. A segunda fase consistiu principalmente em testes de desempenho. Após 700 horas de teste, foi decidido introduzir as seguintes mudanças nos planos de produção: motores mais potentes, hélices quadripás Hamilton-Standard e guias de molas no leme e compensadores para aliviar as forças de controle.

  O certificado de tipo foi emitido em junho de 1950, e as entregas começaram em outubro do mesmo ano.Porém, após alguns testes de motor, a SAAB decidiu substituir os Pratt & Whitney Twin Wasp R-2000 de 1.450hp pelos Pratt & Whitney R-2180-E Twin Wasp de 1.650hp. A ABA Swedish Airlines, uma predecessora da SAS, encomendou 11 exemplares, e duas companhias aéreas brasileiras (VASP e Aerovias do Brasil) também solicitaram um total de seis aeronaves. O protótipo foi posteriormente convertido em uma aeronave executiva privada de luxo para o empresário brasileiro Olavo Fontoura.

  Em 1947, o protótipo visitou rapidamente a Dinamarca, Holanda, Bélgica e Suíça. Em maio de 1948, fez uma viagem de um dia de Linköping para Newcastle via Oslo. Durante esses voos, o protótipo tinha apenas equipamentos de teste a bordo. Não ocorreram verdadeiros voos de demonstração com potenciais clientes. Por esta razão, foi decidido fazer um verdadeiro passeio de demonstração pela Europa agora que a cabine estava devidamente equipada.

  O protótipo partiu em 9 de agosto de 1948. Após visitas a 11 países europeus, o SE-BCA voltou para Linköping em 11 de novembro de 1948 com a primeira parada em Estocolmo. Em seguida visitou a Noruega (Oslo), Irlanda (Dublin), Grã-Bretanha (Prestwick, Gatwick, Jersey), Dinamarca (Copenhaga), Bélgica (Bruxelas), Holanda (Amsterdã), Suíça (Genebra, Zurique), Portugal (Lisboa, Porto), Espanha (Madrid), França (Paris) e, finalmente, Finlândia. O tempo total de voo foi de 113 horas com 123 decolagens e uma distância total de 37.200 km. Foram transportados 1.200 passageiros. Na Holanda, o Príncipe Bernhard dos Países Baixos voou o avião.

  Em cada cidade, o Scandia foi recebido pela companhia aérea e pela imprensa local, mas não resultou em pedidos. Muitas companhias aéreas também visitaram o Linköping para uma visão mais próxima e demonstração durante os anos 1948-49. Alguns deles foram DNL, ​​Fred Olsen, DDL, Aero Oy, Swissair, FAMA, Aerolíneas  Argentinas, KLM, Air Service, Sabena e Garuda.

  Um segundo passeio promocional foi iniciado em 16 de agosto de 1949. Com seis tanques de combustível extra, cada um com 400 litros, o SE-BCA iniciou uma turnê que levaria a três continentes. Esta foi também a última vez que foi visto na Suécia.

  A primeira viagem foi para Paris, onde os tanques de combustível extra foram removidos. Em 23 de agosto de 1949, o protótipo SE-BCA chegou a Addis Abeba (Etiópia). No dia seguinte, o imperador Haile Selassie foi em uma turnê de demonstração. Presente nesta turnê também estava Carl von Rosen, que na época era conselheiro da Força Aérea da Etiópia. Athen, Kairo, Asmara, Port Sudan e Luxor também foram visitados nesta turnê. Nesta turnê, o avião foi submetido a temperaturas de 50 ° C, sem problemas. Quando o avião voltou para Paris, os tanques de combustível extras foram reinstalados.

  Em 4 de setembro, o SE-BCA saiu de Paris com o destino da base de Pratt & Whitney em Hartford, Connecticut. Com paradas em Prestwick, Islândia e Gronelândia, a viagem demorou três dias. Em Hartford, os tanques de combustível extras foram removidos e o interior foi remodelado. Um extenso programa de demonstração em todo os EUA seguiu. Algumas das cidades visitadas foram Nova York, Washington, Chicago, Miami, Los Angeles e Houston. Em Los Angeles Howard Hughes voou o Scandia, e ele elogiou o design. Em 14 de outubro, Scandia retornou a Hartford.

  A primeira produção de Scandias foi entregue em 1950. A SAS recebeu seus oito aviões entre outubro de 1950 e outubro de 1954. A SAS operou inicialmente seus Scandias em voos intra-escandinavos. Os serviços programados por Scandias também foram operados para cidades europeias, incluindo Amsterdã, Bruxelas e Londres (Heathrow) entre 1951 e 1955. A VASP operou sua frota de novos e ex-SAS Scandias em voos programados intra-brasileiros entre outubro de 1950 e final de 1966.

  A Força Aérea sueca pressionou a SAAB quanto ao desenvolvimento do avião de combate Saab 29, o que definiu o fim do projeto Scandia na Suécia, com a produção residual realizada pela Fokker, na Holanda. No total, apenas 18 exemplos foram fabricados. Toda a frota de SAAB 90 da SAS foi finalmente comprada pela VASP, em 1957. Uma versão maior com cabine pressurizada chamada SAAB 90B foi planejada, mas nunca feita. O último voo com um Scandia foi em 22 de julho de 1969.

  Apenas um exemplar do SAAB 90 Scandia existe em todo o mundo, se trata do 16º exemplar construído e que foi operado pela VASP com p prefixo PP-SQR. Ele fica ao ar livre no Museu de Armas, Veículos e Máquinas Eduardo André Matarazzo em Bebedouro-SP, Brasil. Dizem que está completo, mas em muito mau estado de conservação. A SAAB tentou comprar o avião para o seu jubileu de 50 anos em 1987, mas o proprietário pediu um preço excessivamente alto, que resultou na desistência da fabricante.

Especificações e Características gerais:

Capacidade: 24 ou 32 passageiros
Comprimento: 21.30 m (69 ft 10½ in)
Envergadura: 28,00 m (91 ft 10½ in)
Altura: 7.40 m (24 ft 3½ in)
Peso vazio: 9,960 kg (21,958 lb)
Max. Peso de decolagem: 15,900 kg (35,053 lb)
Motores: 2 × Pratt & Whitney R-2180-E Twin Wasp E motor radial de 14 cilindros com 1.650hp cada, podendo gerar até  1.825hp cada, com injeção de água.

Desempenho:
Velocidade máxima: 450 km / h (243 nós, 280 mph) a 2.600 m (8530 pés)
Velocidade de cruzeiro: 340 km / h (183 nudos, 211 mph) (cruzeiro normal)
Alcance: 2.650 km (1.432 nm, 1.647 mi)

Fotos: copy-cats.work, saabsportclub.com, edcoatescollection.com, fliegerweb.com, media.snl.no, frihetskamp.net, wikimedia.










Rene Maciel / Rock Aircraft
Editor e Piloto Privado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário