quarta-feira, 29 de agosto de 2018

ANTONOV AN-2: O MAIOR MENOR


          Isso mesmo, você não leu errado, o AN-2 é o maior monomotor e biplano do mundo, porém é o menor modelo fabricado pela ucraniana ANTONOV. Um avião robusto para vários tipos de missões, tais como transporte de cargas e passageiros, transporte aeromédico, hidroavião, paraquedismo e até mesmo agrícola.


          Com projeto concebido em 1947, no pós guerra, até hoje, o An-2 é usado para o transporte de suprimentos, pessoas e animais nos confins gelados da Mongólia e povos do Leste Europeu. Com o passar do tempo o An-2 transformou-se na aeronave predileta dos paraquedistas do velho mundo, por ser espaçoso e com uma capacidade de carga espantosa para um monomotor dos anos 50.

          O AN-2 é uma aeronave de múltiplas finalidades equipada com motor ASz-621R e hélice AW-2, de passo variável. Sendo um avião de emprego geral o AN-2 pode ser utilizado nas seguintes versões:

- Carga (Mala Postal) – AN-2T

- Carga Passageiros – AN-2TP

- Passageiros – AN-2P

- Lançamento de Paraquedistas – AN-2TD

- Transporte Aeromédico – AN-2S

- Pulverização Agrícola – AN-2R

- Hidroavião – AN-2M

          Adicionalmente o AN-2 em cada uma de suas versões acima poderá ser equipado quer com trem de pouso sobre rodas ou sobre “skis”.
Antonov AN-2 com Skis (Foto Sergey Ryabtsev).

          Para conversão da aeronave de uma para outra versão, um equipamento especial será fornecido a pedido do comprador. Parte desse equipamento é normalmente integrado na aeronave quando da montagem na fábrica, sendo o restante fornecido ao operador como peças sobressalentes e equipamento de solo.

          Um jogo de ferramentas fornecido com todos os AN-2 é suficiente para efetuar a conversão. O AN-2 é simples de manuseio e serviço. É fácil de voar; o conhecimento básico de técnica de pilotagem de monomotores é o suficiente para voar o AN-2.

          É um avião seguro, devido ao seu alto coeficiente de sustentação (flaps, ailerons, slats automáticos) pode ser utilizado em montanhas, em pequenos campos de pouso ou mesmo em locais não preparados, estando capacitado a descer em grandes ângulos de ataque. A aeronave possui equipamento de rádio e navegação que a torna capaz de voar e aterrar em condições desfavoráveis e sem visibilidade de solo.
Antonov AN-2 Força Aérea Russa (Foto: wikimedia).

          Ao longo de muitos anos de operação em regiões geográficas diferentes e sob as mais diversas condições climáticas (dos gelos permanentes do Ártico aos climas tórridos dos Trópicos), distante de bases equipadas, a aeronave provou sua segurança e foi largamente reconhecida.

          A segurança do AN-2 foi constatada e confirmada em muitos países, como seja, República Democrática Popular da Korea, Bulgária, Tchecoslováquia, República Árabe do Egito, Iugoslávia, República Democrática da Alemanha, Polônia, Romênia, Sudão, Tunísia, Rússia e outros.

Características do Projeto

          A fuselagem é de construção monocoque. Sua estrutura consta de painéis, vigas, estrutura e piso da cabine de passageiros. Quanto às suas aplicações a fuselagem é dividida em três partes:

          A parte da frente acomoda a cabine do piloto, a parte central destinada à carga ou passageiros e a parte traseira utilizada para os elementos do sistema de controle e equipamento elétrico/rádio. A cabine do piloto é espaçosa, tendo ótima visibilidade, quase 360º graus.

          A alta resistência dos painéis do piso (1000 kg/n²), a cabine espaçosa (4.1 x 1.6 x 1.8 m) e a grande porta especial de carga (1.5 x 1.5 m) abrindo-se para cima, permite a aeronave conduzir itens de carga de considerável dimensão. Para assegurar o máximo grau de segurança durante o transporte, as paredes da fuselagem são providas de cartazes com informações sobre a localização segura da carga. Adicionalmente a aeronave é equipada com dispositivos especiais para a fixação da carga.

          O conjunto de asas constitui-se de uma asa superior e uma asa inferior, com suportes interplanos e cabos de tensão. A estrutura da asa tem duas longarinas. A asa é revestida com tela sintética. Slats automáticos estão instalados ao longo de todo o comprimento da asa superior. Flaps controlados eletricamente utilizam uma parte da superfície de ambas as asas, superior e inferior. Devido a um sistema especial de controle, os ailerons também podem ser usados como flaps de aterragem. A asa superior acomoda seis tanques metálicos de combustível.

          A disposição da secção da cauda é ortodoxa, isto é, dispõe de um estabilizador vertical, mantido por dois suportes, estabilizador horizontal e leme. A estrutura da secção da cauda é similar a das asas, constituída de longarinas e nervuras, sendo a carcaça metálica revestida com tecido.

          O trem de aterragem é do tipo convencional. Sua parte fixa principal é da forma piramidal por suas pernas e suportes. Constitui-se de pernas, amortecedores, suportes anterior e posterior e rodas 800x260 mm equipadas com sistema de freio hidráulico bilateral. Os freios são acionados por uma “borboleta” instalada no manche esquerdo. Por solicitação do comprador essa “borboleta” poderá também ser montada no manche direito.

          A bequilha possui uma perna, amortecedor e uma roda de 470 x 210 mm. Esta última é equipada com um sistema eletropneumático de bloqueio que trava a roda na posição neutra o que facilita manter a direção tanto durante a decolagem quanto a aterrisagem. Sob condições precárias encontradas em algumas bases aéreas, os compressores podem ser carregados com ar comprimido fornecido pela garrafa de ar comprimido da aeronave. Para essa finalidade o equipamento padrão de solo da aeronave possui um dispositivo destinado a carregar os amortecedores e as câmaras de ar das rodas com ar comprimido. Os pneus semi-balão e as câmaras, com uma pressão de 2.3 atmosferas, assim como a grande resistência do trem de aterragem torna possível aterrar e decolar em campos de grama não cultivada.

          O motor radial de 9 cilindros do AN-2 utiliza gasolina de aviação de 91 octanas no mínimo e gera 1.000HP de potência. Seis tanques de combustível com a capacidade total de 1200 litros estão instalados na asa superior. O sistema é do tipo misto utilizando tanto a alimentação por gravidade como a alimentação forçada por uma bomba tipo “sliding vane”.. Mostradores da quantidade de combustível estão instalados em cada tanque proporcionando informação contínua aos pilotos da quantidade disponível de combustível nos tanques.


Tripulação: 1-2 (Piloto e Co-piloto) Podendo ser voado apenas por um só Piloto, que é chamado na aviação por versão (Single Pilot).

Capacidade de passageiros: 12 passageiros

Comprimento: 12.4 metros (40 ft 8 in)

Asas:

Asa superior: 18.2 metros (59 ft 8 in)

Asa inferior: 14.2 metros (46 ft 9 in)

Altura: 4.1 metros (13 ft)

Área da asa: 71,52 m² (769.8 ft²)

Peso vazio: 3,300 kg (7,300 lb)

Peso carregado: 5,500 kg (12,000 lb)

Carga útil: 2,140 kg (4,700 lb)

Motor: 1 × Shvetsov ASh-62IR 9-cilindros supercharged radial, de 750 kW que desenvolve uma potência de 1.000 hp (1.000 Cavalos Força).

Performance

Velocidade máxima: 258 km/h (139 kn, 160 mph)

Velocidade de cruzeiro: 190 km/h (100 kn, 120 mph)

Velocidade de estol: 50 km/h (26 knots, 30 mph) Estol é quando a velocidade cai muito e as asas perdem a sustentação, levando o avião a deixar de voar e cair como uma pedra.

Máximo alcance: 845 km (456 nm, 525 mi)

Teto máximo operacional: 4,500 metros (14.750 ft)

Máxima razão de subida: 3.5 m/s (700 ft/min) É a distância vertical que o avião consegue subir em minutos ou segundos.












Rene Maciel / Rock Aircraft.
Editor e Piloto privado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário