Rússia recebe mais um grande evento esportivo em 2018 com etapa do Mundial de Corrida Aérea

       Pouco mais de um mês depois do fim da Copa do Mundo, a cidade de Kazan será sede do Red Bull Air Race pelo segundo ano consecutivo.


Com estádio e monumentos ao fundo, Pete McLeod e Kirby Chambliss sobrevoam a cidade de Kazan antes do início da quinta etapa do Red Bull Air Race (Joerg Mitte).

       Há algum tempo, a Rússia entrou definitivamente para a lista de nações que têm tudo a ver com grandes eventos do esporte, nas mais variadas modalidades. Agora, pouco mais de um mês após o fim da Copa do Mundo, o país volta a sediar uma competição de grandes proporções: neste final de semana, dias 25 e 26, a cidade de Kazan recebe a quinta etapa do Red Bull Air Race 2018.

       Depois da estreia de Kazan como sede do Mundial de Corrida Aérea em 2017, desta vez a competição acontecerá em uma pista nova, dando início à segunda metade da temporada, com quatro etapas ainda a serem disputadas. O público russo acompanhará uma corrida bastante agitada, já que, por enquanto, nenhum dos 14 pilotos conseguiu pontos suficientes para abrir uma vantagem considerável como líder do ranking, o que está deixando a disputa pelo título bastante aberta.


       Até o momento, quem lidera a corrida pelo troféu da temporada é o australiano Matt Hall, que tem apenas dois pontos a mais do que o americano Michael Goulian, segundo colocado – nenhum dos dois já conquistou o campeonato mundial anteriormente, o que deve acirrar ainda mais a busca pela pontuação máxima. Logo em seguida está o tcheco Martin Sonka, que concorreu ao título mundial até o final da temporada passada, e o francês Mika Brageot, que está competindo pela Master Class – categoria principal do Mundial – pelo segundo ano apenas.

       A tarefa dos 14 melhores pilotos do mundo não será fácil rumo ao topo do pódio na Rússia. No ano passado, a etapa de Kazan bateu o recorde de maior número de colisões nos obstáculos da pista (o que acarreta em penalidade para os competidores): 67. Os pylons, como são chamados estes postes gigantes, são feitos de tecido flexível mais leve do que um papel. Por isso, não causam nenhum dano às aeronaves e aos atletas. Além disso, a nova pista exigirá um nível técnico bastante apurado por parte dos pilotos, que voarão a velocidades de 370 km/h.

       Os brasileiros poderão acompanhar a etapa russa, ao vivo, em www.redbullairrace.com, a partir das 9h (horário de Brasília) do domingo (26).


Comentários