segunda-feira, 27 de julho de 2020

Junkers Ju 52s da JU-AIR serão revisados ​​e retomarão as operações até 2021

Junkers Ju52 HB-HOS da JU-AIR em 2011 (Foto LFSB Plane Pictures CC BY-NC-ND-2.0)

A JU-AIR iniciou o processo para revisar completamente seus três JU-52. A revisão será realizada por empresas especializadas. A companhia aérea retomará as operações de voo na primavera de 2021. Até então, reorganizará seu departamento de manutenção.

Após meses de preparação, começou a grande revisão do histórico JU-52 da JU-AIR. Primeiro, serão realizadas medições digitais da aeronave e de seus componentes, a fim de obter projetos computadorizados tridimensionais.

Esse grande projeto é liderado pela JUNKERS Flugzeugwerke em Dübendorf, Suíça, que contratou várias empresas especializadas na Suíça e no exterior. O Escritório Federal Suíço de Aviação Civil (FOCA) supervisionará todas as etapas do processo, antes, durante e após cada etapa do trabalho. Quando a revisão estiver concluída, os três aviões serão, tecnicamente, tão bons quanto novos.

Como medida preventiva, em função da idade, todos os elementos de sustentação das asas relevantes para a segurança serão substituídos. Dado que nenhuma peça nova para a aeronave de oitenta anos está disponível no mercado, centenas de componentes individuais precisam ser replicados por parceiros autorizados. Para fazer isso, as peças originais primeiro precisam ser medidas digitalmente. Em seguida, componentes como asas, unidade de cauda e direção serão modelados no computador. Os dados gerados por computador resultantes são então usados ​​para recriar novas peças. Por esse curso de ação, cerca de 90% dos elementos das asas serão substituídos.
Junkers Ju 52 HB-HOY da JU-AIR em 2012. (Foto Werner Wittersheim (CC BY-NC 2.0)

As asas serão revisadas em Malters, na Suíça, enquanto a fuselagem, a cauda, ​​o trem de pouso, a direção e todos os outros sistemas serão revisados ​​em Dübendorf, na Suíça. Aqui também, a revisão será realizada por especialistas de empresas especializadas certificadas.

O Escritório Federal de Aviação Civil (FOCA) acompanhará de perto o projeto. Cada etapa do processo será apresentada em detalhes com antecedência. O FOCA revê-o e, uma vez aprovado, é realizado. O FOCA pode então verificar se o trabalho foi realizado corretamente.

Aposentadoria dos motores BMW

Os motores das três aeronaves serão substituídos. As peças de reposição não estão mais disponíveis para os motores radiais da BMW (tipo 132) que foram implantados até o momento - a BMW interrompeu sua produção em 1944. Os custos, se esses motores fossem mantidos a longo prazo, só aumentariam ano após ano.

Portanto, a JU-AIR decidiu substituir esses motores por motores radiais (Wasp) do tipo R-1340 da Pratt & Whitney. Embora esses motores radiais (Wasp) não sejam mais construídos, eles foram produzidos em números tão grandes que ainda estão amplamente disponíveis em todo o mundo.

Motores que foram completamente revisados ​​e peças sobressalentes como novas estão prontamente disponíveis. A JU-52 não é estranha aos motores da Pratt & Whitney: alguns aviões foram equipados com esses motores na primeira entrega.
Junkers Ju 52 HB-HOP da JU-AIR em 2005. (Photo Kambu - (CC BY-2.0)

A primeira das três aeronaves a passar por uma revisão completa será o HB-HOS. Ela havia sido entregue, totalmente nova, à Força Aérea Suíça no final do verão de 1939, onde trabalhou até 1981. Entrou em serviço na JU-Air em 1983 e desde então faz parte da frota ativa da JU-AIR. A revisão completa nos outros dois começará em um estágio posterior. O momento exato depende, entre outros fatores, da rapidez com que o trabalho progride na primeira aeronave.

A aeronave com registro HB-HOS deve retomar a operação de voo na primavera de 2021. Em vista da reabertura das operações de voo, a manutenção de aeronaves e motores será reorganizada. As avaliações estão em andamento. A JU-AIR também trouxe especialistas externos para assessorá-lo, e o Escritório Federal de Aviação Civil também atuará como um órgão de supervisão nesse assunto.

Fonte: JU-AIR

Um comentário:

  1. Pra botar essas Maravilhas pra voar vão gastar alguns milhões de dolares,fizemos o motor de um 172 ficou em quase trinta mil dólares.

    ResponderExcluir